Os motoristas que trafegam no trecho de duplicação da rodovia que vai de Curitiba à Fazenda Rio Grande, região metropolitana, não se sentem seguros. O trecho da BR 116, popularmente conhecido como “corredor da morte”, passa por uma reforma desde outubro de 2011, e desde então não possui um acostamento ao lado da rodovia.

“Se por acaso o carro der uma pane é capaz de causar um engavetamento porque não tem pra onde ir”, relata o motorista e ouvinte da Rádio Banda B, Clóvis Sabino, na manhã desta quarta-feira (16). Sabino é morador da cidade de Fazenda Rio Grande e percorre a rodovia em obras com frequência.

Outro lado

A assessoria de comunicação da concessionária que administra as obras, Autopista Planalto Sul, informou que a sinalização implantada devido ao serviço já é o suficiente para orientar os motoristas que passam pela região e mantê-los em segurança. A empresa prevê a implantação de um acostamento apenas pista sul, já que ambos sentidos serão duplicados.

A reforma do trecho na BR 116 deve acabar em março de 2013. Depois a empresa iniciará inicia uma duplicação de Fazenda Rio Grande até Mandirituba, que deverá encerrar apenas em 2016.