A reunião realizada entre o sindicato Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) e o sindicato patronal para discutir a pauta de reivindicações dos trabalhadores do setor do transporte coletivo da capital realizada na tarde desta quinta-feira (14) ficou sem acordo e uma nova mesa de negociações deve ser marcada para os próximos dias. Pela manhã, o diretor do Sindimoc, Dino César, em entrevista à Banda B, não descartou a possibilidade de greve caso não se chegue a um acordo.

Além do Sindimoc, participaram da reunião o Sindicato dos Empregados em Escritórios e Manutenção nas Empresas de Transporte de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana (Sindeesmat), Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), a Coordenação da Região Metropolitana (Comec) e a Urbanização de Curitiba (Urbs).

Segundo nota enviada pelo Sindimoc, os representantes do Setransp foram irredutíveis em negociar os itens apresentados pelos sindicatos, alegando que as empresas não têm como ceder aos índices salariais pedidos pelos trabalhadores e que a única proposta é a reposição de 6.63% do INPC.

Os motoristas e cobradores pedem 30% de reajuste nos salários e 100% no auxílio alimentação, entre outros itens. Como não houve avanço nas negociações, ficou acordada que nova mesa de negociações será agendada para os próximos dias. O sindicato patronal deverá se reunir com os empresários do setor e avaliar os pedidos dos trabalhadores.