Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

Moradores do Jardim Ipê, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, estão cansados de reclamar dos constantes buracos abertos durante uma obra da Sanepar que, segundo eles, não termina nunca. Por causa disso, os buracos impossibilitam os carros a transitar pela rua Olho D’Água e, quando tentam, são ‘engolidos’ pelas crateras. Paredes de residência também estão comprometidas com as obras.

Segundo os moradores, a obra seria de uma empreiteira da Sanepar, que – além de nunca ter fim – não há resolução quanto aos buracos imensos deixados à céu aberto. O morador Daniel Moras alega que já entrou em contato com a Sanepar inúmeras vezes, mas as respostas são quase sempre negativas.

“Não é de hoje que a gente vem comunicando a Sanepar sobre isso, nem de achar soluções sobre o caso. Eles dizem que não podem enviar equipe de emergência para fazer esse reparo e a gente fica a mercê. Ontem, meu carro caiu nesse buraco, tivemos que tirar com a ajuda de um guincho. Um absurdo isso”, descreve.

Com a chuva, os buracos abrem em proporções maiores. “Ontem eu consegui sair de casa, mas hoje não consigo sair com meu carro da garagem porque tenho medo que ele afunde. Olha que absurdo”, disse a moradora Róseli Merets.

Além disso, a rua sofre a falta de iluminação, já que uma das poucas lâmpadas instaladas na rua está não funciona, como explica o morador Valdir Cruz. “De noite fica bastante escuro, aqui. Faz uns dois anos que essa luminária caiu e nada. Já ligamos, tenho protocolo e nada, está caída e sem iluminar nada. Ficamos totalmente no escuro”, reclama.

Retorno

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Almirante Tamandaré que informou que a rua Olho D’Água, Mina D’Água, Rua Principal e a Rua Ouro Verde serão asfaltadas após o término da obra da Sanepar. No entanto, não há previsão para que as obras finalizem.

Em nota, a Sanepar informou que a foto publicada na reportagem da Banda B refere-se ao período da execução da obra, e que, portanto, ela ainda não estava concluída quando foi tirada. Na Ouvidoria aberta no dia 05 de outubro, o serviço foi atendido prontamente no mesmo dia pela empreiteira contratada.

Na manhã desta terça-feira (13), o fiscal André Sandrini retornou ao local e constatou que não há nenhum problema ocasionado pela Sanepar e o local encontra-se em condições adequadas de acesso.