O contorno da discórdia que abriria a Praça do Japão para a criação de tubos para o Ligeirão da linha Santa Cândida/Praça do Japão ganhou um novo capítulo nesta quinta-feira (21). O Conselho de Segurança do Batel (Conseg Batel) chamou uma coletiva de imprensa porque recebeu a informação de que a Av. Sete de Setembro, em frente ao Colégio Santa Terezinha, será alargada pela Urbs. Para o Conseg, isto é um inicio da obra, que, de acordo com o órgão, não estaria paralisada, contrariando o que é dito pela Prefeitura de Curitiba.

“O prefeito tem que decidir. Ou está parada ou não está. O Fruet tem que sair de cima do muro. Nós do Batel achamos que esta obra na Avenida, que irá deixar o trânsito um verdadeiro caos, já faz parte da destruição da Praça do Japão, ou seja, para nós a obra não esta parada coisíssima nenhuma”, afirmou à Banda B Acef Said, presidente do Conseg Batel. “Querem ir na contramão do mundo e destruir uma área verde da cidade, sem ter ouvido ninguém da comunidade”, disse ele, referindo-se ao projeto que pretende instalar tubos dentro da Praça do Japão, o qual desembarcariam usuários da Linha Santa Cândida/Praça do Japão.

O imbróglio

Em abril do ano passado, a gestão do prefeito Luciano Ducci autorizou as obras para a instalação do Santa Cândida/Praça do Japão. Em janeiro deste ano, uma reunião entre a nova gestão da Prefeitura, Conseg e Associação de Pais e Mestres do Colégio Santa Terezinha definiram que o projeto seria congelado para o dialogo com a comunidade. Na reunião, ficou estabelecido que as obras iriam continuar normalmente até a estação tubo Bento Viana, que está sendo desalinhada para permitir a abertura de uma faixa de ultrapassagem na canaleta. É a partir deste ponto que a obra supostamente iria aguardar a análise a ser feita em conjunto com a comunidade.

A versão de Said é que isto não estaria acontecendo. “Não estamos sendo ouvidos e não sabemos em que pé esta a obra. Queremos uma resposta com urgência. Agora quem estuda no Santa Terezinha durante o período de alargamento da Sete de Setembro vai ter que entrar pela Visconde de Guarapuava. O trânsito que já era ruim vai se tornar um caos”, afirmou.

O presidente do Conseg voltou a pedir durante a entrevista que a linha seja estendida ao Terminal Portão. “Não tem porque destruir este ponto turístico da capital. A Praça do Japão não terá estrutura para atender esta demanda. Será um grande erro”, destacou. Quanto a isto, a prefeitura já informou não ser possível, uma vez que não há possibilidade de alargar a Rep. Argentina, continuação da Sete de Setembro, onde está o Terminal do Portão

Resposta

Em entrevista durante o Jornal da Banda B 2° Edição, com Adilson Arantes, na tarde desta quinta-feira (21), o presidente da URBS, Roberto Gregório, descartou qualquer intervenção na Praça do Japão. “O prefeito Gustavo Fruet deixou claro a transparência de sua gestão desde o começo e qualquer novidade quanto à Praça do Japão será tratada com a comunidade. Não será feita intervenção nenhuma e as obras que foram feitas são pontais, com relação a remodelação do transporte público apenas”, prometeu.