O policial reformado e advogado Mizael Bispo da Silva foi condenado a 20 anos de prisão nesta quinta-feira (14) pelo assassinato da ex-namorada de 28 anos, a advogada Mércia Nakashima, ocorrido em 23 de maio de 2010. O corpo e o carro da advogada foram encontrados em uma represa na cidade de Nazaré Paulista, na Grande São Paulo.

Na leitura da sentença, o juiz Leandro Bittencourt Cano descreveu os três agravantes aceitos pelo Conselho de Sentença ao analisar se o réu era inocente ou culpado.

Sobre o agravante de crime torpe, por exemplo –segundo a acusação, Mizael se sentia humilhado pelo fim do relacionamento–, o magistrado definiu: “muitos crimes são cometidos em nome do amor, que mas que tipo de amor é esse?”, indagou, para completar: “Quando é amor o que se sente, não há o mínimo desejo de se livrar da pessoa amada. O sentimento amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, esse faz sofrer”, classificou.

Ao final, o juiz fez a leitura dos agradecimentos com a voz embargada. Ao todo, foram quatro dias de júri no Fórum de Guarulhos (Grande SP).

Para ler a reportagem completa, clique aqui.