O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, veio a Curitibanesta quinta-feira (28), para anunciar investimentos no Hospital Evangélico e Trabalhador. Em entrevista coletiva ele disse também que o caso de mortes no leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Evangélico é um caso de polícia e os envolvidos devem ser punidos com rigor.

Bruno Henrique – Banda B
Padilha discursa a autoridades da Saúde

“É um caso de polícia e é preciso apurar até o fim o que aconteceu no Evangélico. Colocamos um auditor do Ministério da Saúde desde o começo e queremos que tudo seja apurado com muito rigor. É preciso punir veementemente os responsáveis ”, afirmou o ministro em entrevista coletiva na Prefeitura de Curitiba.

Ainda, durante a entrevista, o ministro anunciou que uma equipe da prefeitura irá atuar permanentemente no Evangélico. “Será feito um monitoramento em parceria com a nova diretoria do Evangélico para que não aconteçam falhas. Tudo isto será feito juntamente com o investimento de milhões de reais em equipamentos e na estrutura desta casa hospitalar”, descreveu.

Padilha falou ainda sobre o investimento no Hospital do Trabalhador e a falta de leitos na capital. “Queremos uma melhora nos leitos de UTI. Os usuários não podem mais ficar esperando. Os leitos de UTI do Trabalhador serão melhorados e ampliados em um alto investimento. Também serão inaugurados 20 leitos de UTI no Hospital do Idoso”, concluiu.

Também estiveram presentes no anúncio o secretário municipal de Saúde, Adriano Massuda, e o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet.

Investimentos

O governo federal vai investir nos dois hospitais através do programa SOS Emergências. O projeto foi criado para melhorar a qualificação da gestão e do atendimento em grandes hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Com os recursos anunciados pelo ministro, o número de leitos no Hospital do Trabalhador deve aumentar de 212 para 248. No total, 22 hospitais de todo o país fazem parte do programa SOS Emergência, segundo o governo federal.

Ainda no caso doTrabalhador, serão disponibilizados mais de R$ 300 mil mensais e R$ 3,6 milhões ao ano. O hospital também ganhará um ambulatório e uma maternidade nova. A previsão é de que os novos equipamentos cheguem em quatro meses.

Já no no Hospital Evangélico, onde serão investidos R$ 3 milhões. A maior parte do valor será investida nos setores centro cirúrgico e UTIs.