Dados da Secretaria estadual da Saúde mostram que 208 municípios do Paraná já atingiram a meta de vacinação contra a gripe. Segundo a Secretaria, até terça-feira (30) 1,66 milhão de pessoas (76,1%) já tinham recebido a vacina desde que a campanha iniciou, em 15 de abril. No Brasil, os três estados do sul estão próximos de atingir a meta, pois já vacinaram juntos mais de 77,7% da população incluída nos grupos prioritários. A meta do Ministério da Saúde é 80%. A vacina continua disponível em todas as unidades de saúde do Paraná até o dia 10 de maio.

Pela primeira vez a vacinação foi antecipada em 20 dias, uma reivindicação do Paraná desde 2011, pois no sul do Brasil o inverno é mais rigoroso. No Paraná já foram registrados 39 casos de gripe somente nas últimas semanas.

O secretário estadual da Saúde, Michelle Caputo Neto, diz que os municípios que tiverem baixa cobertura vacinal e grande circulação de pessoas façam postos volantes durante a campanha para sensibilizar toda a população. “A vacina é segura e leva em média 15 dias para garantir a imunidade, dessa forma é imprescindível que a população receba a vacina antes do inverno chegar”, reforçou. A vacina protege contra os três vírus influenza mais circulantes no país: influenza A (H3N2) – sazonal, influenza A (H1N1) e influenza tipo B.

Dos grupos prioritários, o grupo das puérperas (mulheres com pós-parto de até 45 dias) foi o com maior adesão à campanha no Estado (91,2%). Em seguida o grupo dos indígenas (89,08%), dos idosos (79,01%) e das crianças de seis meses a menores de dois anos (73,6%). Além disso, cerca de 312 mil doentes crônicos também receberam a vacina.

As gestantes (63,4%) e os trabalhadores de saúde (66%) foram os que menos aderiram à campanha. “A vacina é uma proteção para a gestante e para o bebê, por isso todas as grávidas, independente do período gestacional, devem ser imunizadas”, explicou o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz.

A Secretaria da Saúde também orienta a todos os trabalhadores de saúde que procurem as unidades mais próximas dos seus locais de trabalho para serem vacinados. “Para receber a vacina eles deverão apresentar a carteira profissional ou um documento que comprove ser trabalhador de saúde”, disse o superintendente.

PREVENÇÃO – A gripe pode ser prevenida com alguns cuidados de higiene como lavar bem, e com frequência, as mãos com água e sabão; evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies; não compartilhar objetos de uso pessoal e, ainda, cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

As pessoas que apresentarem sintomas de síndrome gripal devem procurar o serviço de saúde para receber o tratamento com o antiviral oseltamivir, quando indicado. Se o medicamento antiviral for prescrito em até 48 horas, a chance de cura é de aproximadamente 100%.

BOX – Veja quem deve tomar a vacina e que documentos levar:

Crianças (seis meses a um ano, 11 meses e 29 dias): registro de nascimento ou carteira de identidade.

Idosos (acima de 60 anos): carteira de identidade.

Grávidas: carteira da gestante.

Mulheres até 45 dias após o parto: carteira da gestante e documento do bebê.

Doentes crônicos: poderão se vacinar nas unidades de saúde e nas unidades volantes, desde que estejam com a prescrição médica. Preferencialmente, os pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS deverão se dirigir aos postos onde realizam o tratamento. Se na unidade de saúde onde eles são atendidos regularmente não existir um posto de vacinação, os pacientes devem solicitar prescrição médica e se dirigirem a outro posto.

Profissionais de saúde: deverão apresentar a carteira profissional ou um documento que comprove ser trabalhador de saúde para receber a vacina.

Indígenas: serão vacinados em casa pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde.

Pessoas privadas de liberdade: serão vacinadas pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde nas delegacias e presídios.