Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

Foto: Arquivo Familiar

Garota estava com medo de mãe brigar sobre o sumiço. Foto: Arquivo Familiar

‘Se eu voltar, você não vai fazer nada comigo?’, esse foi o primeiro contato entre a garota de 12 anos que estava desaparecida desde sábado (31) e a mãe dela. A ligação aconteceu no fim da tarde de ontem depois de um taxista ter encontrado a garota no Bairro Alto, em Curitiba, e acionado a família.

Kauane Martins Ancanela Rodrigues mora do bairro Cajuru e desapareceu logo após avisar a mãe por telefone que estava a caminho de casa, aguardando um ônibus no mesmo bairro em que foi encontrada. A garota teria ido até sua antiga residência para buscar a correspondência e os vizinhos confirmaram que ela esteve no local antes de sumir.

Assim que a garota foi reconhecida pelo taxista, ele entrou em contato com a família da garota. Kauane perguntou a mãe se ela não faria nada com ela, caso voltasse para casa. Por volta das 19 horas, a garota já estava em casa ao lado da família.

Desespero

De acordo com a mãe, Leonilda Martins, que entrou em contato com a Banda B, ela saiu de casa com o tio por volta das 13h e entrou em contato às 14h30 para avisar que logo chegava em casa. “Eu estou desesperada, ela nunca fez isso antes e não tem namorado. É uma situação estranha, eu não quero que nada de mal aconteça com a minha filha”, disse.

Segundo Leonilda, a única relação afetiva que Kauane tinha era com um adolescente de 17 anos que mora na mesma cidade que o pai da menina mora, em Guamiranda, no sudeste paranaense. “Ela conheceu esse rapaz, que ficou perturbando ela por muito tempo, mas eu os afastei e até fiquei com o celular dela por um tempo, mas foram apenas cinco dias lá. Até cheguei a ligar para a família dele que me garantiu que ele está em casa”, comentou.