Fotos: Antônio Nascimento – Banda B

O médico ginecologista Ricardo Rosa (foto), suspeito de atropelar um ciclista e fugir sem prestar socorro, no bairro Alto da XV, na noite da última segunda-feira (1°),se apresentou na tarde desta sexta-feira (5) à Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba (Dedetran). O detalhe é que Rosa saiu de lá podendo dirigir. O médico chegou à Dedetran em seu Mercedez Bens, com o qual atropelou o ciclista, por volta das 15h. Rosa não quis falar com a imprensa.

O delegado Armando Braga, da Dedetran, descreveu que o médico não ter a carteira de habilitação apreendida está previsto em lei. “Expirou o período de flagrante e ele não tem como ter a carteira retida. Esta sanção só poderá ser feita depois de o processo ser finalizado”, destacou o delegado.

Embora as imagens das câmeras de segurança mostrem o médico descendo, olhando para trás e supostamente fugindo sem prestar socorro, em depoimento o suspeito negou. “Ele disse que não viu que tinha ferido o ciclista. Ele tem o direito de defesa. Agora vamos realizar o inquérito policial e tomar as medidas necessárias”, afirmou o delegado.

Por fim, Braga descreveu o que o médico fazia naquele dia em que atropelou a vítima. “Ele disse que estava voltando do próprio aniversário. O carro foi encontrado na casa dele, com uma capa em cima de onde aconteceu a colisão”, concluiu

O acidente

Carro do médico

Testemunhas contaram que Rafael pedalava a bicicleta pela rua Almirante Tamandaré quando no cruzamento com a rua Itupava foi atropelado. O motorista chegou a parar, mas fugiu do local sem prestar socorro à vítima. “Eu estava dentro do meu terreno quando ouvi a pancada, então subi no muro e vi um carro parado quase em frente a minha casa. Tinha um senhor grisalho que pegou no telefone Não era um moleque, era um senhor com um carro de luxo. Deveria estar alcoolizado porque não parar para prestar atendimento nestas condições é mesmo um absurdo”, contou uma testemunha.