Das Assessorias

A Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) emitiu ordem de serviço (nº 82/2013), ontem, determinando a suspensão do Calendário Acadêmico do Curso de Medicina. A medida se deve à morosidade, por parte do governo do Estado, na contratação dos professores aprovados no teste seletivo (Edital nº 80/2013 e respectivas retificações) e na nomeação de aprovados em concurso público (Edital 02/2013 e respectivas retificações) realizados com finalidade de contratar professores para ministrar aulas no curso de Medicina. No mesmo ato, a Prograd esclarece que a suspensão tem efeito até a publicação de nova ordem de serviço, convocando o início das aulas.

A decisão da Prograd atende a ofício expedido pelo Departamento e pela Coordenação do Curso de Medicina. Dirigentes departamentais e membros do colegiado reuniram-se no último dia 2, com o objetivo de discutir a questão da não nomeação de 42 professores aprovados em teste seletivo e concurso público para ministrar aulas nas cinco primeiras séries do curso, a partir do próximo dia 16 de julho. Como a nomeação não deverá ocorrer até a data prevista para o início do ano letivo do curso, decidiram pela suspensão do início das aulas até que seja deliberada pelo governo do Estado a autorização para a contração dos professores.

No ofício 73/2013, os dirigentes departamentais e coordenadores do curso alegam que o atraso na contratação de novos professores inviabiliza o funcionamento do curso. Isto porque os atuais professores estão sendo remanejados para atender ao estágio obrigatório do curso, nos internatos médicos, como preveem as Diretrizes Curriculares Nacionais para a graduação em Medicina (Resolução CNE/CES nº 4/2001, artigo 7º). No ofício, ainda informam que, após a efetivação, dos contratados será proposto novo calendário de aulas, com as recomposições necessárias para o cumprimento da carga horária.

Conforme nota à imprensa, a Reitoria esclarece que está redobrando esforços no sentido de obter do governo do Estado a autorização para a contratação e nomeação dos novos professores. Nesse sentido, confirma que desde abertura do curso há um planejamento para a contratação dos docentes à medida que a primeira turma de alunos vai avançando. Neste ano, a primeira turma, que ingressou em 2009, vai cursar a 5ª série. De acordo com o programa de implantação do curso, ao final dos seis primeiros anos (período de duração do curso), o quadro de professores efetivos do Departamento de Medicina deverá contar com 94 docentes.

Rápido

Em nota, o deputado Plauto Miró Guimarães relata que, juntamente com o vice-reitor, Luciano Vargas, não estão medindo esforços para que os profissionais sejam nomeados o mais rápido possível. “Atualmente tramitam no governo estadual três processos da UEPG que tratam da autorização para a contratação dos profissionais. Ao todo foi solicitada a nomeação de 17 professores e a contratação temporária de outros 25”, enumera o deputado. O curso foi implantado em 2008.