Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo

O marido de Suzana de Fátima de Silva, 28 anos, que teve o corpo incendiado em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, foi preso na manhã desta terça-feira (13). Wilson Assunção da Silva, 30 anos, é suspeito de ter ateado fogo em Suzana durante uma discussão. Ela morreu após ficar internada durante uma semana no Hospital Evangélico, onde ele também permanecia internado com ferimentos na mão.

queimada1

Suzana morreu após ficar internada no hospital (Foto: Reprodução Rede Massa)

“Conseguimos agir dentro dos trâmites legais para que ele fosse preso ainda internado porque, se ele tivesse ido para casa, talvez não conseguíssemos prendê-lo. Ele vai responder por tentativa de homicídio porque ela chegou a ser socorrida, mas vai ser devidamente qualificado em todas os quesitos”, disse a delegada Selma Regina Braga, da Delegacia da Mulher de São José dos Pinhais, em entrevista à Banda B.

O inquérito, entretanto, foi instaurado no município de Piraquara, que, a partir de agora, está com o caso. A discussão entre o casal aconteceu na semana passada dentro de casa durante uma discussão. Segundo as investigações, familiares contaram que o casal estava se separando, mas há um mês tinha tentado reatarem o relacionamento. “Ele, aparentemente embriagado, discutiu com ela, a encharcou de gasolina e ateou fogo”, disse a delegada.

Em depoimento na Delegacia da Mulher, Silva afirmou que foi a própria Suzana quem teria jogado o combustível em seu corpo e depois ateado fogo. Sobre os ferimentos que ele ficou na mão direita, o mesmo afirmou que tentou apagar a mulher que estava em chamas. Os dois foram socorridos ao hospital. Suzana não resistiu após uma semana de tratamento.

Silva ainda deve passar por outros procedimentos cirúrgicos, já que corre risco de perder os movimentos da mão. Suzana foi enterrada no último domingo e deixa cinco filhos, um deles com o homem acusado de cometer o crime.

Notícias Relacionadas:

Mulher é internada em estado gravíssimo após marido atear fogo nela por ciúmes