Victor Motta
Manifestantes realizaram dois protestos no centro de Curitiba

A chuva não desanimou os manifestantes que se reuniram no centro de Curitiba para protestar contra recentes eleições em Brasília. O ‘Ato de Repúdio’ que aconteceu na tarde deste sábado (9) quer a renúncia de dois presidentes: pastor Marco Feliciano (PSC) da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara dos Deputados e do Senado, Renan Calheiros (PMDB). O Ato foi organizado pelos internautas por meio da rede social Facebook.

Cerca de cem pessoas se reuniram em frente à Universidade Federal, na praça Santos Andrade, para dar início ao protesto. Às 14 horas, munidos de guarda-chuva, os manifestantes começam a batucada e o panelaço em direção à Boca Maldita. Durante a caminhada, outras pessoas se juntaram ao grupo e comemoraram a iniciativa dos curitibanos em fazer parte do manifesto organizado em mais cidades – o ato também aconteceu nas cidades: Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Feira de Santana (BA), Fortaleza (CE), Juiz de Fora (MG), Uberlândia (MG), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Florianópolis (SC) e até mesmo em Buenos Aires. Em São Paulo, o ato aconteceu na esquina da Avenida Paulista com a Consolação e teve a confirmação do evento na rede social de mais de 21 mil pessoas.

A organizadora de Curitiba, Patrícia Gaspar, publicou na criação do evento. “Convocamos todos os cidadãos a participarem dessa manifestação que acontecerá de forma simultânea em diversas capitais com o objetivo de afirmar que esse retrocesso não será tolerado pelo povo brasileiro”.

Revolta

Eleito no último dia 7 para presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o deputadoMarco Feliciano(PSC) ficou conhecido popularmente por declarações radicais em que cita homossexuais, negros e também em relação ao aborto. Ele é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de estelionato. O deputado foi acusado de ter mentido sobre um acidente de carro para não comparecer a um evento em outra cidade. Ele já tinha recebido cachê, passagens e hospedagem.

Entre algumas postagens na página do Twitter do deputado estão declarações que se tornaram alvo de críticas e revoltas: “A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, à rejeição. Amamos os homossexuais, mas abominamos suas práticas promíscuas” (Twitter)

“Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é polêmica. Não sejam irresponsáveis twitters rsss” (Twitter)

“Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids. Fome…” (Twitter)

Recentemente ele foi divulgado um vídeo em que o deputado- que é pastor – fala sobre a doação recebida de um fiel. “Samuel de Souza doou o cartão, mas não doou a senha. Aí não vale. Depois vai pedir milagre para Deus, Deus não vai dar, e vai dizer que Deus é ruim”

Já Renan Calheiros foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STJ) por desvio de dinheiro público, falsidade ideológica e uso de notas falsas.

Presença

Internautas se mobilizaram para participar do protesto e mais 3.100 pessoas confirmaram a ida ao centro de Curitiba. No entanto, um dos manifestantes Roger Batista, reclamou, usando (é claro) o Facebook. “Galera, foi lindo hoje! Mas para ser efetivo precisamos articular um maior número de pessoas. Tivemos 42.895 pessoas confirmadas no evento e nem 1/5 esteve presente. Nós somos a mudança que queremos ver”, postou.

Outro

Também, o “Fora Renam” reuniu cerca de cem pessoas na Praça Tiradentes, no centro de Curitiba, nesta mesma tarde (9). Os manifestantes estavam com nariz de palhaço e muitos deles vestidos de preto. Eles seguiram para a Boca Maldita mostrando cartazes e pedindo a renúncia de Renan Calheiros. Outra manifestação está marcada para o dia 23 de março, em um sábado, também em Curitiba.