Da Redação

Manifestantes chegaram a pichar casa da família (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

Laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba contraria a primeira suspeita e diz que a menina Nicole Aparecida da Costa, de seis anos, não foi violentada sexualmente. Levada já morta para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Alto Maracanã, em Colombo, na região metropolitana, a Polícia Civil chegou a trabalhar no caso como abuso, mas aguardava o laudo para continuar com as investigações. O laudo foi divulgado na última sexta-feira (31).

A causa da morte, segundo o laudo, se deu em decorrência de uma broncopneumonia. O Inquérito Policial que investigava o caso já foi concluído e encaminhado ao Ministério Público.

Dois dias após a morte da pequena, vizinhos chegaram a se mobilizar para cobrar justiça e pedir a prisão do responsável pelo suposto abuso. Eles se reuniram em frente à casa da família, queimaram pneus e picharam o muro da frente com a frase “Aqui mora um estuprador”.

O protesto se deu em decorrência de um relatório de médicos da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), repassado à Polícia Civil, que apontava claros sinais de violência sexual.

O caso

Nicole morreu na madrugada de sexta-feira, 3 de março. De acordo com a Polícia Civil, a menina chegou a ser levada para a UPA do Alto Maracanã um dia antes, mas familiares alegaram ao médico de plantão que a menina estaria com uma gripe e possíveis complicações de uma anemia falciforme.

A Delegacia de Colombo segue investigando o caso para apurar possíveis responsabilidades.