Por Marina Sequinel

Uma estudante universitária de 20 anos usou as redes sociais para denunciar um caso de assédio e agressão dentro de um bar*, no Largo da Ordem, em Curitiba, na noite deste sábado (3). Segundo a jovem, ela saía do local com uma amiga e o namorado, por volta das 22h, quando um homem chegou por trás, tentando assediá-la.

“Eu olhei para ele, junto com quem estava comigo, e perguntei: ‘O que foi?”. Então segui em frente para não arrumar confusão. Só que, de repente, esse homem agarrou o meu namorado pelo pescoço e começou a agredi-lo. Eu fui separar os dois e ele me deu um soco no rosto. Ainda me xingou de tudo quanto é nome. Para me defender, acabei quebrando um guarda-chuva nele”, contou a estudante, que preferiu não se identificar, em entrevista à Banda B.

Durante a confusão, ela conta que pediu ajuda aos seguranças da casa que, de acordo com sua versão, não lhe deram apoio. “Eles ainda acobertaram o agressor e deixaram que ele voltasse para o bar. Eu falei para eles segurarem o homem até que a polícia chegasse, mas ninguém fez nada e o cara simplesmente fugiu”, completou.

Indignada, a jovem chamou a polícia, que informou que “não poderia fazer nada além de registrar a ocorrência, já que o agressor não estava mais no local”. “Ser mulher é isso hoje em dia, é sair para se divertir e acabar na viatura da polícia chorando, fazendo um B.O. e escutando que não era possível fazer nada, afinal, o agressor tinha fugido. É escutar o covarde dizer que eu estava mentindo, que não havia batido em ninguém”, relatou ela no Facebook. Até o momento, a postagem tem mais de 400 curtidas e 100 compartilhamentos.

Resposta

Sobre o caso, a Banda B entrou em contato com o gerente do bar, Jorge Tonatto. Ele informou que a casa vai apurar, com o apoio de funcionários e das câmeras de segurança, o que aconteceu no estabelecimento na noite de sábado.

À reportagem, ele adiantou que não sabia que a jovem havia sido assediada. “O que me passaram foi que teria acontecido um esbarrão natural na área da saída e alguém se exaltou, dando início à confusão. Quando há qualquer conflito entre clientes, a nossa política é deixar que uma pessoa vá embora e a outra fique, para evitar mais transtornos. Se algo acontece na parte externa do bar, como parece o que houve com a jovem, os nossos seguranças não podem intervir e nós orientamos que a polícia seja acionada”, finalizou.

Posição da Abrabar

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas – ABRABAR – se manifestou sobre o caso e disse que vai pedir imagens das câmeras de segurança do estabelecimento para identificar o agressor e tomar as medidas cabíveis.

“Infelizmente esta atitude não é um ato isolado. É lamentável e até grotesco saber que existem pessoas como este cidadão agressor que não têm condições de conviver em sociedade. Vamos pedir aos proprietários do estabelecimento que deem total atenção a este caso para que isso não se repita mais. Não podemos tolerar atitudes de assédio como essa porque prejudica a todos do setor e sabemos que os proprietários agem imediatamente em casos assim. Vamos pedir as imagens das câmeras do bar para identificar este cidadão e até bani-lo de frequentar todos os estabelecimentos da cidade. Vamos também entregar as imagens à polícia para as devidas providências. Pedimos ainda que todos sempre denunciem atos lamentáveis como esse no telefone 181, em nossa parceira com a Polícia Militar”, disse o presidente da ABRABAR-Paraná, Fábio Aguayo

*O nome do bar será preservado até o momento em que a Banda B tiver acesso às imagens das câmeras.