Da Redação

Reprodução Facebook

Viralizou nas redes sociais, entre este sábado (11) e domingo (12), o relato de uma jovem branca, diagnosticada com câncer há cinco meses, que foi acusada por um grupo de mulheres negras de “apropriação cultural”, isso por usar turbante no transporte público de Curitiba. É comum que ativistas do movimento negro digam que brancos não devem usar turbantes e outros trajes típicos da tradição afro, pois isso seria apropriação cultural. A situação aconteceu no último dia 4 de fevereiro e Thauane Cordeiro contou no Facebook que chegou a mostrar para uma delas que está careca.

“Eu estava na estação com o turbante toda linda, me sentindo diva. E eu comecei a reparar que tinha bastantes mulheres negras, lindas aliás, que tavam me olhando torto, tipo ‘olha lá a branquinha se apropriando dá nossa cultura’, enfim, veio uma falar comigo e dizer que eu não deveria usar turbante porque eu era branca. Tirei o turbante e falei “tá vendo essa careca, isso se chama câncer, então eu uso o que eu quero! Adeus’. Peguei e sai e ela ficou com cara de tacho. E sinceramente, não vejo qual o PROBLEMA dessa nossa sociedade em, meu Deus!”, disse.

O relato veio acompanhado da hashtag #VaiTerTodosDeTurbanteSim. Neste sábado (11), ela fez novo relato e disse que não imaginava tamanha repercussão. Ela ainda pediu desculpas caso alguém tenha se ofendido. “Quero enaltecer certos pontos aqui, primeiro, pedir perdão as pessoas que se sentiram ofendidas com a expressão ‘negra branca’. Que, como já havia dito no post, foi um sarcasmo. Uma ironia, não foi pra banalizar nenhum movimento, muito menos pisar/menosprezar a luta do movimento negro. Eu já havia dito, e digo novamente aqui, essa é minha forma de enxergar a vida, o meu jeito de levar, na zoeira na brincadeira. Eu me zoo com isso, mas eu não vou banalizar outras pessoas, longe de mim, e se fiz, me perdoa! Mas eu vejo isso como uma forma de levar a vida sorrindo, porque se eu fosse me entregar a tristeza, eu me afundaria ainda mais em uma depressão. Então eu brinco com isso, mas isso é um jeito meu, minha forma de ser. Como disse, nem Jesus agradou a todos, como eu, na minha simplicidade vou agradar? Não dá né”, disse.

O relato teve mais 113 mil curtidas e 32 mil compartilhamentos no Facebook.