Por Sérgio Brandão

O segundo duatleta melhor ranqueado,categoria elite, pela CBTRI, – Confederação Brasileira de Triathlon, é paranaense. Por conta do ranking, o arquiteto Thiago Assad, o Turco, nascido na Lapa, está embarcando dentro de duas semanas para disputar os Jogos Mundiais, que pela primeira vez acontecem num país sul americano, na Colômbia, em Calli. Lá estarão os 50 melhores duatletas do mundo e pela primeira vez o Paraná terá um representante na categoria elite, a mais importante da modalidade nos Jogos.

Turco já esteve em 4 mundiais, mas nas categorias por idade). Turco também é triatleta, mas o seu forte é o duathlon. Sem patrocínio, apenas vivendo de apoios, o atleta gasta dinheiro do próprio bolso para as viagens, treinos e compra do material de competição como bike, roupas etc. A Competição será no dia 27.

Galo na cabeça

O Galo não é um time brilhante, mas é o que temos de melhor por aqui. Fez um primeiro tempo para liquidar a partida. Foi anulado no segundo tempo. Tem um goleiro com estrela e outros atletas acima da média nacional. Parece que o pior já passou, a final será mais fácil. Se Ronaldinho jogar um pouco mais, será mais fácil ainda. Será o último canto do cisne. Para encerrar a carreira com um importante título do futebol, o de campeão da libertadores da américa, se tiver juízo profissional.

Arena da Baixada

De tempos em tempos o Tribunal de Contas, BNDES, Assemléia Legislativa ou Governo do Estado, ameaçam o Atlético de cortar o financiamento da obra da Arena da Baixada. Agora, o TC diz que uma análise técnica apontou incompatibilidade entre o valor empenhado e a capacidade de pagamento do clube, além da inconsistência no projeto. A pergunta que não quer calar: só agora viram isso?

Sim, sou do time contra a Copa do Mundo, mas porque antes sou contra a política que se faz com o futebol e que hoje virou parece presa fácil dela, da política. Não entendo como o futebol, uma instituição forte no mundo todo, ainda se sujeite aos interesses politicos. A resposta talvez esteja nos comandos, da Fifa e do Brasil. O princípio da física: matéria atrai matéria.

Atletiba

Independente do resultado do primeiro atletiba no brasileiro da série “A”, depois de um período de recesso, temos o clássico mais forte ainda, mas ainda alimentado pela rivalidade que ultimamente é maior entre dirigentes do que entre torcedores, ainda com ares de província. De um lado a arrogância e do outro a intolerância que não cabe dentro do mundo do futebol. Os dois precisam um do outro. Quando este dia chegar, quem sabe o pobre futebol paranense seja um pouco maior. Isso vai desde aluguel de estádio a acordos para clássicos que visem sempre um público maior, senhores dirigentes.