Agência Estadual de Notícias

ceva010

Governador Beto Richa e o presidente do grupo Petrópolis, Walter Faria, assinam protocolo de intenções para a construção de uma fábrica de cerveja e de uma maltaria no Paraná. Foto: AEN

O Grupo Petrópolis, segunda maior cervejaria do Brasil e única grande empresa do setor com capital 100% nacional, vai investir R$ 2,2 bilhões no Paraná para a implantação de uma maltaria e uma fábrica de cerveja, que criarão mais de 6 mil empregos diretos e indiretos. Além disso, o projeto da companhia inclui o arrendamento de duas unidades de processamento da soja no Estado.

É o segundo maior investimento privado feito no Paraná nos últimos três anos e foi confirmado pelo governador Beto Richa e o presidente do Grupo Petrópolis, Walter Faria, nesta quarta-feira (30) no Palácio Iguaçu, em Curitiba. Richa e Faria assinaram protocolos para enquadramento dos empreendimentos no programa Paraná Competitivo, principal instrumento da política de expansão industrial desenvolvida pelo Governo do Estado.

“O Grupo Petrópolis vai contribuir para um fortalecimento ainda maior da industrialização do Estado”, disse o governador, ressaltando que o Paraná Competitivo já contabilizou mais de R$ 30 bilhões em novos investimentos, que abrem mais de 180 mil oportunidades de emprego em todas as regiões do Estado.

“Este é o resgate da confiança do setor produtivo. O Paraná Competitivo tem sido o diferencial entre os estados brasileiros para atração de empresas nacionais e multinacionais”, destacou Richa. Ele disse, ainda, que o programa superou as expectativas em resultados de atração de empresas. “Só os investimentos anunciados em abril, de cerca de R$ 4 bilhões, são equivalentes aos oito anos do governo anterior”, afirmou o governador.

Richa ressaltou o desempenho da economia paranaense nos últimos três anos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o Estado detém o maior processo de expansão industrial do Brasil. O Ministério do Trabalho confirmou que, em 2013, o Paraná ficou entre os estados que mais geraram empregos de carteira assinada e a pesquisa do Sebrae/CNI indicou o Paraná como o melhor ambiente para micros e pequenas empresas.

CERVEJARIA E MALTARIA – O Grupo Petrópolis é dono das marcas Crystal, Lokal, Itaipava, Black Princess, Petra e Weltenburger, dos energéticos TNT Energy Drink e Magneto, do isotônico Ironage, das vodkas Blue Spirit e Nordka e da água Petra.

Na implantação da cervejaria serão investidos R$ 600 milhões. A unidade deve ocupar um terreno de 500 mil metros quadrados e produzir em média 300 milhões de litros (entre cerveja e chopp) por ano.

A fábrica deve ser instalada em 48 meses e atenderá aos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além de parte do mercado do estado de São Paulo. “O apoio que o Governo do Paraná oferece à instalação de empresas foi o que determinou a escolha do estado sede”, afirmou o presidente do Grupo, Walter Faria.

CAMPOS GERAIS – A empresa confirmou que a unidade paranaense de malte será instalada na Região dos Campos Gerais. Já a unidade de cerveja ainda não tem o município definido. “Estamos estudando a região que melhor nos atende na questão logística e de mão-de-obra”, afirmou Eliana Cassandre, gerente de marketing do Grupo Petrópolis.

Na maltaria, a primeira do Grupo, o investimento previsto é de R$ 262,7 milhões, em uma planta industrial que vai beneficiar 160 mil toneladas de cevada por ano. “Implantar uma maltaria no Paraná reforça nossa postura de investir na vocação do Estado que tem na agroindústria seu esteio. E a cervejaria no Paraná abre a oportunidade de crescer na região Sul, nacionalizando nossas marcas”, afirmou Walter Faria.

Com cinco fábricas em operação e mais uma em construção, o Grupo é responsável pela geração e manutenção de 19 mil empregos diretos. Além disso, patrocina atletas brasileiros profissionais e amadores e promove ações ambientais.

SOJA – O Grupo Petrópolis também firmou contrato de arrendamento da Imcopa com a FEMA, fundo que assumiu a empresa para a reestruturação financeira. De acordo com o contrato, operações e empregos estão preservados nas duas unidades de processamento de soja da Imcopa no Estado, em Araucária e Cambé. A previsão é de que sejam aplicados R$ 1,4 bilhão até 2021.

Também assinaram os documentos os secretários da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Horácio Monteschio; da Fazenda, Luiz Carlos Sebastiani; do Governo e chefe da Casa Civil, Cézar Silvestri.

Participaram do evento o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano, e o deputado estadual Plauto Miró.