O Instituto de Identificação do Paraná completou a implantação do sistema parcialmente informatizado nos 20 postos regionais de atendimento no interior, permitindo reduzir o tempo de entrega da carteira de identidade de aproximadamente 35 dias para oito dias úteis, em 256 unidades do Estado. O sistema foi desenvolvido em parceria com a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar).

Com esse sistema o instituto poderá emitir cerca de dois mil documentos por dia. A diferença do processo antigo para o parcialmente informatizado consiste em encaminhar os pedidos de novos documentos para os postos regionais, que por sua vez fazem envio online diretamente para a Celepar, em Curitiba, onde é emitida a carteira de identidade. O sistema está ativo desde a última quarta-feira (27/03).

O processo de informatização está sendo implantado de forma gradual nos postos de atendimento do Estado. Ainda com o sistema parcialmente informatizado, o requerente precisa levar a foto 3×4 e realizar a coleta digital por entitamento. Em Curitiba, Cascavel, Guarapuava, Londrina e Maringá, o processo já é totalmente informatizado, ou seja, o cidadão não precisa levar foto e a coleta digital é eletrônica.

De acordo com o diretor do Instituto de Identificação, Newton Tadeu Rocha, o primeiro impacto para o cidadão é na redução no tempo de entrega da carteira de identidade. “O instituto tem estabelecido avanços marcantes para a população, como o início do agendamento online, o envio de mensagens de texto no celular e a transformação da estrutura física e tecnológica, contribuindo para melhor qualidade do atendimento”, afirma.

CONFIABILIDADE– O diretor ressalta que este processo é mais confiável, uma vez que o sistema unifica o banco de dados biométrico, que emite um alerta em tentativas de fraudes e auxilia no trabalho de investigação policial. “As informações são colocadas diretamente no banco de dados do Instituto de Identificação na Celepar, permitindo confronto e evitando fraudes”, explica.

O sistema também estabelece um avanço na parte de polícia judiciária, que permite identificar suspeitos de cometer crimes, evitando que uma pessoa seja presa com o nome de outra, entre outros casos.