Da Redação com AEN

O Governo do Paraná e outras instituições públicas vão prestar atendimento às mulheres vítimas de violência neste sábado (24), na Praça Santos Andrade, em Curitiba, das 8h30 às 17h30. A ação deve homenagear o Dia de Mobilização pelos Diretos da Mulher, promovido pelo Tribunal de Justiça do estado.

No local, assistentes sociais, psicólogos, advogados e outros profissionais vão informar e orientar as mulheres sobre os direitos e, se necessário, registrar denúncias e encaminhar o cumprimento de mandados judiciais. As ações serão gratuitas.

mulheres_vitimas_de_violencia_230813_bandab

Foto: Divulgação

Salas específicas também serão preparadas no prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR) para atender casos em que haja necessidade de atendimento reservado e para a formalização de denúncias.

Órgãos participantes

A Delegacia da Mulher estará disponível para registro de ocorrência e procedimentos policiais, e o Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, para emissão de medidas protetivas de urgência, mandados judiciais e despachos para intimação dos agressores, entre outras providências.

A Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos participa com as ações do Departamento de Direitos Humanos e Cidadania (DEDIHC). A Secretaria da Saúde também terá um estande para distribuição de materiais informativos sobre a saúde da mulher e a prevenção da violência.

Um dos serviços levados à praça será o Centro de Referência da Mulher, da Secretaria da Justiça, que prestará atendimento psicossocial e jurídico, orientações e informações. O Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas vai prestar orientação e informação.

Estatísticas

De janeiro a julho, o Centro de Referência da Mulher realizou 195 atendimentos. O companheiro foi o principal agressor, com 85 denúncias; seguido do ex-companheiro, com 45; do marido, 42; do ex-marido, 11; do ex-namorado, quatro; e outros, oito denúncias. Com relação à cor, das 195 mulheres agredidas, 130 são brancas, 52 de cor parda e 11 negras. Quanto ao agressor, 113 deles são brancos, 67 de cor parda e 13, negros.

O Centro dispõe de outras estatísticas, que serão divulgadas sábado, detalhando os tipos de violência, envolvimento com drogas, grau de união, atendimentos jurídicos, situação de moradia, trabalho e escolaridade de vítimas e agressor.

A Secretaria de Estado da Saúde informou que, desde 2003, qualquer indício de violência contra a mulher deve ser notificado nos serviços de saúde públicos ou privados. Dados do Sistema de Notificação (Sinan), de janeiro de 2009 a junho de 2013, mostram que no Paraná das 29.800 notificações de violência, 19.911 (66,7%) das situações foram contra mulheres.

As notificações de violência concentram-se entre 10 e 39 anos, sendo que na faixa de 20 a 29 anos a maioria dos registros é de mulheres. O tipo de violência mais frequente é a violência física, seguido pela psicológica e pela sexual. Em relação à violência sexual, as notificações apontaram que 72% se referem a estupro e atentado violento ao pudor. Quando se trata de mulheres e meninas a violência acontece com maior frequência dentro dos domicílios.

Serviço

Data: 24/08/13 – sábado

Horário: 8h30 às 17h30

Local: Praça Santos Andrade – Em frente ao prédio histórico da UFPR