Por Felipe Ribeiro

Insatisfeitos com o anúncio de aumento nas mensalidades, estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) fazem nesta quarta-feira (12) uma assembleia para definir possíveis mobilizações que visam combater o reajuste. De acordo com o Diretório Central dos Estudantes, a Reitoria da universidade encaminhou um ofício informando o reajuste de 8,89% para 2015, o que causou a indignação por uma parte dos alunos.

pucprFoto: Divulgação

De acordo com o vice-presidente do DCE, Augusto Gogola, apesar de a lei permitir um reajuste de até 12% anualmente, a entidade que representa não sentiu durante o ano de 2014 a necessidade para um aumento tão alto. “A Reitoria diz que outras instituições particulares passaram por aumentos e que este agora seria para investimentos em professores e infraestrutura, mas neste ano de 2014 não sentimos mudanças significativas que justifiquem o valor”, afirmou.

Segundo Gogola, cerca de 50 estudantes já se reuniram e deliberações como possíveis protestos devem acontecer na noite desta quarta-feira. Ainda de acordo com o DCE, este é o segundo reajuste consecutivo acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No ano passado o IPCA foi de 6,13% e o reajuste na mensalidade de 8,87%.

Caso o reajuste se confirme, alguns cursos poderiam ter reajuste de mais de R$ 400, como é o caso do curso com valor mais alto, Medicina. Outro tradicional curso como o de Direito, por exemplo, teria um aumento de pouco mais de R$ 100.

A Banda B entrou em contato a assessoria da PUCPR, que informou que o valor é compatível com o praticado no mercado de ensino superior e utilizado para suprir os investimentos realizados na instituição. No dia 22 de outubro, a reitoria da universidade se reuniu com o DCE para apresentar a proposta de reajuste, bem como os custos e investimentos que o justificam.