Uma verdadeira história de amor, mas bem longe das telas cinematográficas de Hollywood. Foi aqui em Curitiba que uma trajetória de 72 anos de companheirismo mereceu destaque entre os acontecimentos do final de semana. O militar aposentado Osil Tissot, com 95 anos, não agüentou a notícia da morte da esposa Paula de Mello Tissot, de 90 anos, e faleceu menos de 20 horas depois. O casal foi velado na manhã deste domingo (7) pela família Tissot na capela da Água Verde, bairro da capital.

A união que estava prestes a comemorar bodas de brilhante teve um saldo representativo de gerações: cinco filhos, 22 netos e 16 bisnetos. Osil e Paula moravam no bairro Jardim das Américas e desde quarta-feira, quando ela sofreu um derrame e foi internada no Hospital Militar, o idoso passou a afirmar que não conseguiria viver sem a sua companheira de vida. Na sexta-feira, segundo familiares, ele voltou a colocar no dedo anelar a aliança de casamento que já não usava há alguns anos por causa da fragilidade das mãos. Paula acabou falecendo no hospital na noite de sábado – dia do aniversário do idoso – depois de três dias internada. “Ele se emocionou, passou mal e disse pra gente que não ia agüentar”, disse uma das netas à Banda B.

Às 16 horas ele precisou ser encaminhado às pressas também ao Hospital Militar. Lá, foi descoberto um aneurisma no estômago do idoso. Osil faleceu nos primeiros minutos da madrugada de hoje, menos de 20 horas após ter perdido a esposa. A família acredita que o sentimento forte entre eles fez com nenhum sofresse a tristeza da solidão.

O casal foi velado pela família na Capela do Água Verde durante a manhã de hoje (7). Paula foi sepultada no início da tarde e Osil seria cremado logo depois. Para a família, a história de amor e companheirismo ficará marcada por gerações.