Redação com AEN

A identidade secreta do “Homem Lagosta”, que intrigou os curitibanos nos últimos dias, foi revelada nesta quinta-feira (19). Trata-se de uma campanha do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR) voltada para motociclistas que, segundo o Governo do Estado, estão envolvidos em quase 70% dos acidentes registrados no Brasil. O novo “super-herói” da capital paranaense apareceu pela primeira vez no último dia 10 no perfil Curitiblogando da rede social Facebook. A foto mostrava o “Homem Lagosta” andando em plena Av. Silva Jardim, no bairro Rebouças, e despertou a curiosidade de todos que viam a imagem.

homem-lagosta-190913-bandab

Foto: Curitiblogando

De acordo com o diretor-geral do Detran, Marcos Traad, são propagandas divertidas, mas que tratam de um assunto muito sério. “O motociclista é o mais frágil no caso de uma batida com um carro ou ônibus, por exemplo. Todo acidente pode se tornar grave e resultar em morte, principalmente na falta do capacete”, explica.

Em Curitiba, a peça mostra reações reais gravadas nas ruas da cidade. Motoristas e pedestres foram surpreendidos por motociclistas fantasiados, com o objetivo de fomentar a reflexão “o que o motociclista precisa fazer para ser notado e respeitado no trânsito?”.

Nas demais cidades, o personagem principal é anjo da guarda que tem trabalho redobrado para proteger os motociclistas que desrespeitam os limites de velocidade, esquecem os equipamentos de segurança e as normas de segurança no trânsito. Confira o vídeo da campanha no player abaixo:

Estatísticas

Dados da Secretaria de Estado da Saúde mostram média de duas mortes de motociclistas por dia em 2012. Foram mais de 870 vítimas fatais registradas pelo Sistema de Mortalidade do Ministério da Saúde, que não contabiliza mortes em caso de alta hospitalar e piora posterior do estado de saúde ou por causas decorrentes do acidente e que são notificadas pelos médicos como motivo principal da morte, como traumatismo craniano ou parada cardíaca, por exemplo.

No mesmo ano, a Seguradora Líder, que administra o Seguro DPVAT, pagou 1.340 sinistros a famílias paranaenses de vítimas fatais de acidentes envolvendo motos. Destes, 997 eram condutores e 152 eram passageiros dos veículos. Outros 191 eram pedestres atropelados pelos motociclistas. Os números de 2013 revelam que a imprudência continua. No primeiro semestre do ano, foram 628 sinistros por morte pagos no Estado. Mais de 75% para famílias dos condutores das motos.

Dados do BPTran mostram que, somente em Curitiba, de janeiro a agosto, foram 1.711 acidentes registrados e 93% deles resultaram em feridos.

Notícia Relacionada:

‘Homem Lagosta’ é flagrado em Curitiba e população quer saber quais são suas intenções