Técnicos e fiscais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) monitoram os danos causados pelo acidente de trânsito com um caminhão bi-trem na BR 277, quilômetro 35, em Morretes. O caminhão que seguia sentido Litoral carregava cerca de 60 mil litros de óleo OC-1A, utilizado em navios.

Estima-se que vazou cerca de 45 mil litros de óleo atingindo área de mata próxima ao local do acidente e o Rio Canhambora que deságua no Rio Sagrado. Ambos não são mananciais de abastecimento, captação de água potável. Para reduzir os impactos causados pelo acidente, o IAP determinou o cumprimento de algumas medidas de controle para as equipes de apoio que atuam em conjunto com o órgão para a contenção do óleo que vazou com o acidente.

Entre elas, a limpeza de pista e recolhimento do material em local segregado a ser retirado e destinado por empresa licenciada; construção de barragem com solo no fim de um bananal próximo ao acidente.

Além do uso de caminhão com sucção para remoção do óleo em canaletas e na área de escorrimento do bananal e colocação de barreiras de contenção ao longo do trajeto do óleo, também foi solicitado a transportadores um relatório de destinação de resíduos sólidos utilizados na operação.

O IAP também está realizando coletas de amostras de água ao longo dos rios para monitorar a qualidade da água e o impacto gerado pelo vazamento do óleo. Ainda não é possível estabelecer qual será o valor do auto de infração a ser lavrado pelo órgão por conta dos impactos gerados. Para isso é preciso aguardar o término dos trabalhos para retirada e contenção do vazamento do material poluente, além dos resultados das análises laboratoriais.

Também participam da ação a Polícia Rodoviária, Ecovia, a transportadora e outras empresas contratadas.