Representantes do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), da prefeitura de Guarapuava, e moradores da região discutiram quarta-feira (15) a implantação do Parque Estadual Serra da Esperança. A área da futura unidade de conservação será desapropriada e abrange territórios de Guarapuava, Turvo e Prudentópolis. Em uma parte funciona o Parque Natural Municipal São Francisco da Esperança, administrado pela prefeitura de Guarapuava.

A área que irá fazer parte do Parque Estadual Serra da Esperança foi delimitada pelo Governo do Estado em 2001 e desde então o IAP iniciou os estudos para implantar a Unidade de Conservação. “O processo de criação e implantação de um parque é complexo e demorado, são necessários vários estudos, que precisam ser feitos de forma transparente e com fundamento para que não tenhamos problemas mais tarde”, explicou o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto.

Foi firmada parceria com a empresa Tactbel Energia que auxilia o órgão ambiental na contratação de empresa especializada para medição e pesquisa de preço das áreas a serem desapropriadas. O parque vai conservar cerca de 6 mil hectares em torno do Rio São Francisco, ligar os municípios de Guarapuava à aldeia Maureca dos Índios e garantir a preservação da floresta de araucárias predominante na região.

“Estamos trabalhando para que nos próximos meses nós já possamos iniciar a indenização aos proprietários que terão suas terras integradas ao Parque. Recursos para isso nós já temos e está destinado aguardando somente o término dos estudos”, afirmou Tarcísio.

Participaram do debate o prefeito César Silvestre Filho; o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP, Guilherme Vasconcellos; o chefe regional do órgão em Guarapuava, José Claudinei Valentin; o chefe regional da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Arildo Ferreira; o secretário municipal de Meio Ambiente, Celso Alves de Araújo; e moradores de áreas que deverão ser desapropriadas para a criação do Parque Estadual.