Um homem que agrediu a sua namorada com o intuito de obter dela a confissão de que o havia traído foi condenado à pena de 2 anos e 1 mês de prisão pela prática do crime de tortura. Essa decisão da 1.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná reformou parcialmente, apenas para reduzir à pena e alterar o regime de cumprimento, a sentença do Juízo da Vara Criminal da Comarca de Colorado, na região norte do estado.

As agressões geraram deformidades e sequelas no ouvido, o que motivou a ação. Em Juízo a vítima afirmou que o namorado sempre foi muito desconfiado e ciumento do relacionamento. No dia dos fatos ela não se sentia bem, mas, mesmo assim, ele insistiu que fossem jantar na casa de seus pais; após o jantar, se dirigiram à residência dele, onde se deitou em um colchão, enquanto ele se sentou perto de sua cabeça.

Fernando então lhe perguntou se tinha outro homem, ao que lhe respondeu negativamente; a partir desse momento, iniciaram-se as agressões; o apelante lhe batia muito no rosto, dizendo que havia sido traído e que tinha provas, mas que queria uma confissão; seu rosto ficou deformado e ele não parava de lhe agredir, pois queria que confessasse sua infidelidade; até hoje sente dor de cabeça todas as manhãs e tem pavor dele.