Do Portal A Rede

Policiais do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crime (Nucria) prenderam na manhã desta sexta-feira (24) um homem acusado de violentar sexualmente e engravidar a própria enteada, uma garota de 11 anos de idade. De acordo com informações da delegada Ana Paula Carvalho, responsável pelas investigações, um teste de DNA comprovou que o homem de 47 anos de idade é o responsável pela gravidez da garota.

(Foto: EBC)

De acordo com Ana Paula, o caso era investigado pela Polícia Civil desde agosto de 2016. A situação envolve um caso familiar extremo: a mãe da garota vítima do abuso morreu de câncer e desde então a menina era criada por um casal de primos da genitora. Segundo a delegada, a esposa do acusado e prima da mãe da vítima, levou a situação até a delegacia. “A mulher responsável pela criação da criança levou a menina ao ginecologista já que a vítima tinha quase 12 anos de idade e não menstruava”, comentou Ana Paula.

Ao buscar o auxílio de um ginecologista, o médico notou que a garota não tinha nenhum problema hormonal, mas estava grávida de oito meses aos 11 anos de idade. “Isso foi descoberto ainda em setembro, a garota foi retirada do convívio da família e levada a um abrigo”, explicou a delegada. A menina abusada deu à luz ao bebê em outubro de 2016 e desde então continua no abrigo, sem contato com o suspeito.

Diante dessas informações, Ana Paula conta que várias pessoas foram interrogadas, inclusive o acusado preso nesta sexta-feira (24). Durante o depoimento, o rapaz chegou a confessar que mantinha “carícias mútuas” com a garota, mas tentou culpar a vítima, de acordo com Ana Paula. “Ele [acusado] confirmou que mantinha essa relação, mas negou que tivesse acontecido conjunção carnal entre os dois”, explicou Ana Paula.

Para confirmar a autoria do crime, o Nucria realizou um teste de DNA e identificou que o ‘padrasto’ da garota era o responsável pela gravidez e pai do bebê. “Com base nessas informações, nós conseguimos o mandato de prisão preventiva dele e conseguimos detê-lo na manhã”, contou Ana Paula. O homem foi encaminhado para a 13ª Subdivisão Policial de Ponta Grossa e agora aguarda uma vaga na Cadeia Pública Hildebrando de Souza.

O suspeito deverá ser indicado pelo crime de estupro de vulnerável e pode ficar preso por até 15 anos em regime fechado. O nome do homem preso e outras informações mais detalhadas sobre o local da prisão serão mantidos em sigilos para evitar a identificação da vítima do crime de estupro.

Mais um caso

O Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) de Ponta Grossa trabalha deste o início desta semana com um caso grave. Uma menina de apenas 11 anos está grávida – a gestação de dois meses é considerada de risco. A situação veio à tona depois que a mãe da garota registrou um Boletim de Ocorrência (B.O). O nome dos envolvidos será preservado pelo Jornal da Manhã, bem como a região onde moram.

Segundo a delegada responsável, Ana Paula Cunha Carvalho, a menina ainda não foi ouvida oficialmente. “A criança disse que apenas falará quem é o pai do bebê na presença do padrasto, que é caminhoneiro, e chega de viagem nesta sexta-feira”, afirmou. Somente depois dessa informação é que será dado prosseguimento as investigações. “Nós já entramos em contato com o padrasto e ele confirmou que comparecerá ao Nucria”, reforçou Ana Paula. A suspeita é de que o pai também seja um menor de idade.

Para mais informações sobre a região dos Campos Gerais acesse o Portal A Rede clicando aqui.