Vencer a seleção espanhola de futebol era uma questão de honra para o selecionado brasileiro, pois antes de a bola rolar pela Copa das Confederações, os espanhóis eram tidos como francos favoritos.

Pois bem, o tempo foi passando, o treinador Luís Felipe Scolari foi moldando nosso escrete a sua feição técnica e taticamente – o que transmitiu confiança aos jogadores – que fizeram um jogo histórico, mostrando aos espanhóis, antes de tudo, que o futebol brasileiro sempre foi referência mundial e, por conta disso, não pode ser subestimado. Nesse sentido, muito procedente foi a afirmação do diretor técnico, Carlos Alberto Parreira, na preleção, ao dizer que tem que se respeitar a hierarquia do nosso selecionado, afinal este conquistou cinco Copas do Mundo e três Copas das Confederações – o que não é pouco.

Indiscutivelmente, o campeão voltou com o goleiro Júlio César reconquistando a confiança dos torcedores com belas defesas, com o zagueiro Davi Luís que, além do bom desarme, teve uma saída de bola qualificada e com o lateral esquerdo Marcelo, outro destaque da competição, fazendo boas jogadas ofensivas. Já no meio de campo, o até então desconhecido da maioria da torcida brasileira, o volante defensivo Luís Gustavo, formou uma dupla excelente com Paulinho que saía mais para o ataque, inclusive, fazendo gol. Só para registrar, o meio campista foi negociado com o Tottenham, da Inglaterra, que pagou R$59milhões pelo jogador. E, para fechar com chave de ouro, o atacante Fred esteve brilhante com gols decisivos, ao lado do companheiro de ataque Neymar. Este, aliás, fez tudo aquilo que dele se esperava, sendo eleito o melhor jogador com todos os méritos.

Diante desse quadro, você ainda acredita que o Brasil não tem condições de conquistar a Copa de 2014? Eu acredito e repito o que disse o diretor técnico Parreira: “Respeite a hierarquia do futebol brasileiro, o mais vencedor de todos os tempos!” É isso.