Moradores e comerciantes do entorno da Praça 29 de Março, uma das mais tradicionais e centrais de Curitiba, aprovaram a Operação MMI (Módulo Móvel Itinerante), da Guarda Municipal de Curitiba, lançada nesta quarta-feira (24). O local foi o escolhido para receber a primeira edição do projeto devido às solicitações da comunidade e também às estatísticas de ocorrências. Nos próximos meses, a Operação MMI será estendida a outros pontos da cidade.

SMCS

No final do ano passado, a Banda B realizou uma matéria sobre a praça, na qual moradores da região denunciaram que o local havia se tornado um motel de mendigos. “Isto é frequente e todo mundo presencia. Pessoas que fazem caminhadas aqui, até mesmo crianças, tem que ver esta cena de sexo. É de manhã, duas horas da tarde, não tem hora. A praça é bem frequentada, mas está deixando de ser”, afirmou um morador no dia da elaboração da matéria.

Além desta denúncia e após presenciarem inúmeros casos de assalto, vandalismo e uso de drogas na região, aproximadamente 60 comerciantes e moradores locais pediram ajuda à Guarda Municipal. “A reunião aconteceu nesta segunda-feira e menos de 48 horas depois já tivemos uma resposta maravilhosa como esta”, elogiou um empresário. Segundo o comerciante Sérgio Braga Figueiredo, integrante do Conselho de Segurança das Mercês, há mais de um ano a comunidade vinha pedindo ajuda a outras esferas do poder público.

“Nada havia sido feito até agora. Por isso, hoje é um dia de alegria e satisfação para todos nós”, disse. O bairro Mercês faz parte da Administração Regional da Matriz e conta com aproximadamente 13 mil moradores.

Operação

Durante um mês, o módulo itinerante da Guarda ficará fixo na Praça 29 de Março, onde haverá a presença constante de dois agentes. Além disso, num raio de seis quarteirões, haverá rondas 24 horas, com viaturas e motos da Guarda Municipal.

“A cada duas horas, as equipes de ronda irão permanecer por um período na praça, dando reforço ao módulo fixo”, explicou o inspetor Cláudio Frederico de Carvalho, diretor da Guarda Municipal de Curitiba.

Para implantar a operação, houve rastreamento e monitoramento prévio da praça. Cães farejadores e equipes da Antidrogas estiveram no local. O diretor da Política Pública sobre Drogas da Prefeitura, Diogo Busse, acompanhou de perto a operação e falou da necessidade de ampliar a rede pública de tratamento aos usuários de drogas.

“Se as ações forem apenas de repressão às drogas, o problema será espalhado pela cidade, mas não resolvido. A nossa presença aqui é para garantir que haja uma articulação”, disse Busse. Segundo ele, é preciso que a questão seja trabalhada sempre com foco em três eixos: prevenção, tratamento e reinserção social dos usuários.