Da Redação

Os professores municipais de Curitiba entram em greve a partir da próxima segunda-feira (11). A decisão foi tomada em assembleia no dia 31 de julho no Centro de Convenções. De acordo com o Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac), o principal motivo que leva a categoria a greve é o prazo para implantação integral do novo Plano de Carreira.

greveprofessores

Foto: Divulgação

Na segunda-feira (4), o prefeito Gustavo Fruet recebeu representantes do, mas afirmou que a implantação vai acontecer ao longo de 24 meses. As escolas municipais de Curitiba devem amanhecer fechadas na manhã de segunda-feira. A adesão, de acordo com o sindicato, deve ser total.

Reivindicação antiga, o novo plano garante ao profissional do magistério melhor remuneração e crescimento linear por titulação e valorização. O sindicato afirmou, por meio de nota, que ‘a gestão de Fruet pode rever as prioridades na previsão orçamentária e ampliar o investimento na educação da cidade e garantir o enquadramento imediato’.

Durante o encontro, o prefeito convidou o sindicato a apresentar estudos do impacto financeiro da antecipação da implantação total do plano, com demonstrações objetivas de quais despesas do município poderiam ser revertidas para esse fim. A Prefeitura afirma que o projeto foi fixado em 24 meses, com pagamento gradativo de benefícios ao longo desse período.

Nesta sexta, Secretaria Municipal da Educação orientou as famílias de alunos matriculados na rede pública municipal a levarem seus filhos para as escolas mesmo diante do anúncio de greve dos professores feito pelo sindicato da categoria. A secretaria fará todo o esforço possível para garantir atendimento aos estudantes da rede municipal.

“A secretaria reafirma também a disposição permanente para o diálogo com os professores em torno do plano de carreira, que aguarda votação na Câmara Municipal e trará avanços históricos para a categoria. O plano foi elaborado por iniciativa da atual administração municipal e discutido de forma aberta e transparente com professores e representantes sindicais, em mais de cem encontros nos últimos meses. Corrigirá em apenas dois anos distorções acumuladas ao longo de 20 anos, garantindo novo horizonte para a carreira do professor, com salários dignos e reconhecimento da trajetória na rede municipal”, diz nota.