As escolas da rede estadual de ensino estão ampliando a participação dos grêmios estudantis e nesta sexta-feira (5), 93 das 94 escolas do Núcleo de Educação de Francisco Beltrão, Sudoeste do Estado, serão diplomados. Cerca de 900 escolas da rede estadual do Paraná contam com grêmios ativos.

“Os grêmios fortalecem a educação, a ética e a democracia. Esse espírito estudantil deve tomar conta das nossas escolas, com a participação dos alunos no processo da gestão”, afirma o vice-governador e secretário estadual da Educação, Flávio Arns.

Para incentivar a criação ou o resgate dos grêmios estudantis, a Secretaria de Estado da Educação conta com os núcleos regionais. Cada um designa um funcionário, para ser responsável para orientar as escolas sobre como criar os grêmios e a importância da sua participação no dia a dia escolar.

O grêmio é uma instância colegiada de apoio à gestão escolar, representando os estudantes garantindo que suas necessidades sejam atendidas. Ele tem vaga nos Conselhos Escolar e de Classe. Cabe aos grêmios também desenvolver atividades na escola e na comunidade voltadas para a cidadania.

DEBATE – “Os grêmios podem ajudam a definir, por exemplo, quais atividades em tempo integral são mais adequadas. Não se trata apenas de melhorias para a estrutura da escola, mas também para debater e levar ideias que possam contribuir para a melhoria da educação nas escolas. Em grupo, a chance de errar diminui”, diz a superintendente de Educação do Paraná, Eliane Rocha.

A diplomação dos grêmios de Francisco Beltrão será no Espaço da Arte, em Francisco Beltrão, às 19 horas desta sexta, e deve reunir mais de 400 pessoas entre alunos, professores, diretores e outros representantes da comunidade escolar.

No Núcleo Regional de Cianorte, das 33 escolas atendidas, 32 já contam com grêmios estudantis e na região de Paranaguá, das 59 escolas do núcleo, 49 possuem grêmios atuantes.

REPRESENTANTES – Os representantes de turma, outra categoria de mobilização escolar, têm suas atividades voltadas às necessidades da própria turma, auxiliando os grêmios com articulação de ideias que possam contribuir para a melhoria da escola.

“Os dois devem trabalhar juntos, pois as duas funções se completam. Toda a comunidade escolar deve trabalhar no processo decisório da escola. Todos os estudantes devem trabalhar em prol do objetivo comum que é a melhorar a educação em sua escola”, explica Eliane.