AEN

O Governo do Estado ampliou o valor que define a linha de extrema pobreza no Paraná para R$ 87,00, que passa ser 11% superior ao estipulado pelo Governo Federal. O novo valor já está sendo usado desde o início desta semana para o cálculo da transferência de renda estadual, feita às famílias que já recebem o Bolsa Família.

FAMILIA - PATO BRANCO

Benefício é ampliado para 9 mil famílias -Foto: AEN

A medida permitirá que mais 9 mil famílias paranaenses passem a ser beneficiadas pela modalidade, chamada Renda Família Paranaense e que faz parte do programa Família Paranaense. A estimativa é que em junho 99 mil famílias sejam atendidas por este benefício, com um investimento que chega a R$ 3,2 milhões.

“O aumento da linha de extrema pobreza significa que no Paraná nenhuma pessoa deverá sobreviver com menos de R$ 87,00 por mês”, explica a coordenadora da Unidade Técnica do Programa Família Paranaense, Letícia Reis.

Cálculo

A coordenadora ressalta que os valores recebidos pelas famílias por meio do Renda Família Paranaense são variáveis. “Para a definição do valor a ser pago, consideramos o número de pessoas na família, a renda desta família e quanto ela recebe do Bolsa Família. Depois disso, fazemos o cálculo para saber quanto falta para que cada integrante desta família receba R$ 87,00 por mês”.

O valor médio do benefício oferecido pelo governo estadual é de R$ 40 por família, com um teto mensal de R$ 150. Para receber a renda, as famílias devem manter as crianças na escola, ter a vacinação em dia e as gestantes precisam fazer corretamente o pré-natal.

Outra novidade do Renda Família Paranaense é que a partir deste mês de junho os saques dos benefícios passam a ser feitos com um novo cartão que está sendo enviado às famílias. O cartão substitui o antigo e traz as marcas dos programas Renda Família Paranaense e do Bolsa Família. O anterior trazia apenas a marca do programa federal.