O Governo do Paraná está trabalhando em um novo sistema que garanta qualidade e perenidade no atendimento de saúde ao servidor público estadual. Ao mesmo tempo, iniciou o processo que vai selecionar um novo hospital, com mais estrutura e recursos humanos, que possa substituir o Hospital da Polícia Militar (HPM) na prestação de serviço para os cerca de 150 mil servidores e dependentes de Curitiba, Região Metropolitana e Litoral.

A busca de uma solução que atenda as necessidades dos servidores estaduais foi determinada pelo governador Beto Richa à Secretaria da Administração e da Previdência. “Vamos resolver os problemas do Sistema de Assistência à Saúde (SAS) na região da capital e no interior”, informa o diretor de Seguridade Funcional da secretaria, Wagno Rigues.

Segundo Rigues, há deficiência no atendimento em Curitiba em razão da estrutura do HPM que, de uma hora para outra, viu aumentar o número de possíveis usuários. “Há boa vontade, mas não tem estrutura”, ponderou. Por outro lado, no interior do Estado, há hospitais credenciados apenas em cidades-polo. “Isso traz dificuldades para os servidores que precisam se deslocar para essas cidades para ter acesso ao serviço”, afirmou Rigues.

No atual sistema, o Governo do Estado investe R$ 11 milhões ao mês, dos quais mais de R$ 4,1 milhões na região de Curitiba. “O problema é mais administrativo do que financeiro. Houve um acúmulo de falhas e hoje o atendimento é insatisfatório”, acentuou o diretor. “É preciso otimizar o sistema para que o serviço seja bem prestado”.