Por Marina Sequinel e Djalma Malaquias

(Fotos: Djalma Malaquias – Banda B)

Pais, alunos e funcionários do Centro Regional de Atendimento Integrado ao Deficiente (CRAID) se reuniram nesta terça-feira (31) para protestar contra o fechamento do serviço de Reeducação Visual, anunciado recentemente pelo governo do Paraná. Segundo a diretoria do órgão, a decisão vai prejudicar 297 pessoas matriculadas, entre crianças, adultos e idosos.

As atividades são disponibilizadas por meio de uma parceria entre a Secretaria Estadual da Educação e da Saúde e funciona há 32 anos. “As professoras fazem o trabalho gratuito com os pacientes que têm baixa visão, para estimulá-los e melhorar a qualidade de vida deles. Nós já temos 297 matrículas para começar no dia 15 de fevereiro. Na semana passada, no entanto, o governo informou que não teria renovação do convênio e nos pegou de surpresa”, disse a diretora do CRAID, Ane Nascimento, em entrevista à Banda B.

Segundo ela, a justificativa é de que seria irregular ceder as professoras da educação para a área da saúde. “Eles alegam também que não têm funcionários da saúde para trazer para cá. Mas tudo isso é absurdo, porque há vários alunos que não podem ser absorvidos pelo sistema escolar regular. O que vai acontecer com eles?”, questionou a diretora.

O paciente Antônio Soares, portador de esclerose múltipla, ficou revoltado com a decisão do governo. “Eu cheguei com 10% de visão e atualmente tenho 50% ou mais, melhorei muito mesmo. Agora estou me sentindo deslocado, sem saber o que fazer. Pela minha condição, posso perder a visão a qualquer momento e preciso de um retorno”, disse ele.

Edson Pinheiro, que tem duas filhas no CRAID, contou à reportagem que não tem como pagar o tratamento particular das meninas. “Foi super difícil conseguir as vagas para elas e o serviço tem sido de uma ajuda muito grande. É uma pena que isso tenha acontecido… Agora realmente não temos para onde ir, porque esse tipo de atendimento é muito caro. Para mim e para a minha esposa, é uma enorme luta diária”, completou.

O CRAID, que é direcionado para a assistência ao bebê de risco e portadores de deficiências, funciona na Rua do Rosário, número 144, no Centro de Curitiba.

O outro lado

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde declarou que o CRAID não está fechado. “O serviço de Reeducação Visual, feito em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, está temporariamente suspenso. Na próxima quarta-feira (1) será realizada uma reunião para definir quais medidas serão tomadas para a continuidade do serviço”, diz o comunicado.