Da SMCS

O furto de cabos elétricos subterrâneos, luminárias ornamentais e equipamentos da rede elétrica em ruas, praças e bosques de Curitiba gera um prejuízo de meio milhão de reais por ano para o Município, além, é claro, de prejudicar a população com a interrupção de serviços de iluminação em locais públicos. A onda de ataques à estrutura de iluminação pública vem se intensificando nos últimos meses e hoje a cidade tem cerca de 500 luminárias desligadas em razão de vandalismo e furto de equipamentos.

O Departamento de Iluminação Pública da Prefeitura mantém a manutenção dos equipamentos em dia. Em setembro, por exemplo, o departamento fez 5.580 atendimentos, incluindo troca de lâmpadas, de reatores e de relês. Mas quando ocorrem furtos de cabos, a situação é mais complicada e não pode ser resolvida rapidamente pelas equipes de manutenção rotineira. Muitas vezes, exige um novo projeto e a contratação de uma empresa para executar o serviço.

cabos(Foto: Divulgação SMCS)

“Nosso maior problema é com a reincidência. Temos que refazer o serviço repetidas vezes e o material volta a ser furtado. Às vezes a população fica com a impressão de que nada é feito”, diz o diretor de Iluminação Pública da Secretaria Municipal de Obras Públicas, Rodinei Caetano. Para ele, é importante que autoridades da área de segurança tomem providências, identificando e punindo os receptadores do material furtado. “A cada furto registramos boletim de ocorrência e esperamos que a polícia consiga retirar de circulação os receptadores ,para que o furto diminua e os problemas com iluminação pública também”, afirmou.

Conforme levantamento da secretaria, a atuação de vândalos se espalha por diversos locais na cidade, porém os principais pontos de reincidência são: extensão da Linha Verde, Praça Abílio de Abreu, Bosque do Papa, trincheira da Rua Guabirotuba, Rua Brasilio Itiberê, praça em frente ao Horto Municipal (Guabirotuba), Avenida Iguaçu e Rua Engenheiros Rebouças.

“Infelizmente os estragos não se resumem ao furto de cabos e luminárias. Os vândalos quebram a infraestrutura dos locais e isso gera um grande transtorno para a população, que pode ficar algum tempo sem serviços de iluminação, porque não se trata de uma simples troca de lâmpada. Tem que arrumar toda a estrutura danificada e isso demanda tempo”, explica Caetano.

Ele cita o Bosque do Papa, a passarela do Colégio Medianeira e trincheira do Guabirotuba como exemplos de destruição total de infraestrutura.

Das cerca de 500 luminárias desligadas atualmente em razão do vandalismo e furto de equipamentos, 300 estão na Linha Verde. O reparo desses equipamentos não se enquadra nos serviços de manutenção de rotina, que são mais rápidos. “Os contratos de manutenção não abrangem furto e quebra de equipamentos e estrutura. Desta maneira, o conserto não se enquadra na manutenção de rotina. Torna-se necessário refazer o projeto e licitar a reparação do sistema elétrico. Isso leva tempo e encarece o processo”, afirma Caetano.

Para arrancar os fios subterrâneos, os responsáveis pelos furtos abrem buracos no chão e assim conseguem puxar o cabeamento e interromper o serviço de iluminação pública em áreas extensas. Nesses casos, o material que interessa aos ladrões são os fios de cobre do interior do cabeamento, vendidos a receptadores.

Manutenção

Hoje Curitiba possui 153.475 pontos de iluminação sob os cuidados do Departamento de Iluminação Pública da Secretaria Municipal de Obras. O serviço de manutenção é realizado por duas empresas contratadas, que atendem as nove administrações regionais de Curitiba, divididas em três lotes.

Para se ter ideia do grande volume de serviço, somente em setembro deste ano a central telefônica do 156 recebeu 3578 pedidos de manutenção. No mesmo período, o Departamento de Iluminação Pública executou 5580 atendimentos, que incluem troca de lâmpadas, troca de relês (dispositivo que mantém as lâmpadas desligadas durante o dia) e troca de reatores. O serviço de manutenção atua 24 horas por dia,

Ampliação

Além de trabalhar na manutenção da iluminação pública, a Prefeitura prepara investimentos para ampliar e revitalizar a rede. Nas próximas semanas deve ser lançado um edital de licitação que prevê aplicar R$ 4.914.626,44 na implantação de equipamentos de maior eficiência energética e iluminotécnica, que vão garantir mais segurança e conforto à população. Os recursos permitirão atender inclusive pedidos encaminhados pela população durante a discussão da Lei de Orçamentária Anual (LOA) e demandas apresentadas pelas administrações regionais e pela Câmara Municipal.