Da BBC Brasil

O México se prepara para enfrentar o mais forte furacão já registrado nas Américas, que traz consigo um “potencial catastrófico”.
Segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o Patricia já provocou na tarde da última quinta-feira ventos de 240km/h e alcançará a categoria 5 – o nível mais alto da escala Saffir-Simpson.

São esperados ventos de até 325km/h, que seriam fortes o suficiente para “fazer um avião ir pelos ares e mantê-lo voando”, segundo a Organização Meteorológica Mundial, que comparou a intensidade do Patrícia à do tufão Haiyan, que matou 6,3 mil pessoas nas Filipinas em 2003.

furacao

(Foto: BBC Brasil)

A Secretaria de Governo do México declarou estado de “emergência extraordinária” em várias localidades dos Estados de Colima, Nayarit e Jalisco com a iminente chegada do furacão. Cerca de 400 mil pessoas vivem nas áreas consideradas vulneráveis ao furacão.
“Os prognósticos seguem indicando que a zona de impacto do olho do furacão será o Estado de Jarisco”, explicou o diretor da Cmissão Nacional da Água, Roberto Ramírez de la Parra. “É muito provável que esse furacão seja o mais intenso que já existiu na parte do Pacífico do nosso país.”

O México normalmente enfrenta tempestades tropicais vindas tanto do Atlântico quanto do Pacífico nesta época do ano e já começou a evacuar as áreas que serão potencialmente mais afetadas pelo Patrícia, tirando cerca de 50 mil pessoas da zona costeira.

Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos alerta que enchentes, deslizamentos de terra e grandes ondas poderão ocorrer. “O Patricia deverá ser extremamente perigoso quando tocar a terra”, afirmou a organização americana.

As autoridades mexicanas preparam albergues para atender 295 mil pessoas, e aulas foram suspensas em escolas de vários Estados.
Além disso, o governo aconselhou que turistas não viajem para a região. O centro turístico de Puerto Vallarta, em Jalisco, pode ser diretamente afetado pelo furacão.

Prevenção

Alguns estabelecimentos seguiram as recomendações de autoridades e permaneceram fechados nesta sexta-feira. “Melhor prevenir do que remediar. Os furacões são sempre imprevisíveis”, disse Enrique Esparza, diretor de uma loja de móveis em Manzanillo à agência de notícias AFP.

Nesta localidade, moradores já foram a supermercados para fazer compras de emergência e se preparar para o caso de o furacão causar estragos maiores. A previsão é de que o Patricia traga cerca de 15cm a 30cm de chuva nos Estados de Jalisco, Colima, Michoacán e Guerrero.

Também há um temor de que possam haver inundações na costa, acompanhadas de “ondas gigantes e destruidoras”. A Comissão de Águas alertou que os rios podem transbordar e as estradas poderão ser afetadas pelo mau tempo.