Por Luiz Henrique de Oliveira e Djalma Malaquias

Funcionários da APR (Associação Paranaense de Reabilitação) realizaram um protesto, na manhã desta terça-feira (14), contra os atrasos de salários por parte da instituição. Segundo os manifestantes, alguns trabalhadores estão há quatro meses sem receber, além de não terem visto o dinheiro das férias e também do 13° salário.

Trabalhadores estão há quatro meses sem salário (Foto: Djalma Malaquias – Banda B)

Segundo Tiago Batatin, são 170 empregados que estão na mesma situação. “Ninguém gosta, mas a APR nos empurrou para a greve, porque tem trabalhadores sem receber há quatro meses e meio. Um hospital que funciona há anos e tem um fluxo grande de atendimento, mas os serviços estão paralisados por parte dos funcionários”, reclamou o manifestante.

Os trabalhadores que paralisaram as atividades hoje são assistentes sociais, psicólogos e fisioterapeutas. De acordo com o presidente da APR, Edson Camargo, o problema se dá pela falta de repasses por parte da Prefeitura de Curitiba.

“A APR foi habilitada em 2013 pelo Ministério da Saúde como CER3 (Centro Especializado em Reabilitação Nível 3), que presta serviços pelo SUS para pessoas com deficiência física, auditiva e visual. Desde 2013 a Secretaria Municipal de Saúde vem recebendo o recurso do Ministério da Saúde, mas não vem repassando”, afirmou.

De acordo com Camargo, não há mais como pagar os funcionários. “Agendamos na segunda-feira um encontro com a Secretaria Municipal. Com um capital de giro, conseguíamos manter a entrega dos produtos e os pagamentos, mas a instituição ficou descapitalizada. Sem esse recurso, de setembro para cá, não dá para pagar folha salarial e fornecedores de produtos ortopédicos”, lamentou.

A Banda B buscou uma resposta com a Prefeitura de Curitiba, que enviou a seguinte nota:

A gestão anterior da prefeitura de Curitiba deixou um débito de 1,2 bilhão, sendo R$ 614 milhões sem nenhum empenho. Uma das áreas mais atingidas é a Saúde, com 233 milhões de déficit, sendo 192 milhões sem empenho. Por essas questões orçamentárias, a nova gestão da Secretaria Municipal da Saúde encontrou uma série de problemas, inclusive relacionados a falta de repasse a prestadores de serviço. A nova gestão vai sanar todas essas questões, o mais rapidamente possível. Na última semana, a Associação Paranaense de Reabilitação (APR), inclusive, recebeu um repasse de R$ 54 mil da Secretaria Municipal da Saúde referente a setembro/16. Os valores referentes a outubro estão sendo processados e o meses seguintes serão auditados. A entidade apresenta questões de adequações relacionadas a termo de ajuste de conduta com o Ministério Público e a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. Os materiais entregues pela APR passarão por avaliação de qualidade. Além disso, a demora do pagamento decorre da própria morosidade de entrega das próteses pela Associação. As próteses são pagas apenas após o paciente ou responsável assinar o recibo de entrega, que precisa ser auditado.