A Fomento Paraná, instituição financeira controlada pelo Governo do Estado, assina nesta quarta-feira (6), em Toledo, região Eeste do Estado, três convênios de cooperação técnica com Sociedades de Garantia de Crédito (SGC). O objetivo é expandir e facilitar o acesso ao crédito para projetos de micro e pequenas empresas.

Pelo convênio, a GarantiOeste, a GarantiSudoeste e a Noroeste Garantias irão atuar como avalistas, garantindo até 75% do valor de cada financiamento para empresas associadas em contratos com o Banco do Empreendedor, da Fomento Paraná. A parceria prevê ainda a capacitação de agentes de crédito.

O presidente da Fomento Paraná, Juraci Barbosa, afirma que essa parceria dará um grande diferencial à oferta de crédito, porque as SGCs garantirão a segurança das operações, o que permite tornar mais flexível o enquadramento das empresas.

“O governo Beto Richa tem compromisso com o desenvolvimento regional sustentável, por isso procuramos apoiar as iniciativas dos micro e pequenos empresários, que são responsáveis por gerar emprego e renda, o que é bom para a economia local e para o Estado”, explica Barbosa.

Para o presidente da GarantiOeste, Augusto Sperotto, os recursos da Fomento Paraná, aliados ao trabalho das SGCs para fornecer crédito orientado, vão ajudar a mudar a matriz de custos do pequeno empresário no interior. “Com dinheiro mais barato e treinamento, a empresa tem condições de ser mais competitiva, de cobrar mais barato. E isso induz o crescimento sustentável local, porque evita o dreno financeiro”, diz Sperotto. “E o empresário vai ver que viver aqui é tão bom quanto em cidade grande”, acrescenta.

As empresas interessadas poderão ter acesso a créditos do Banco do Empreendedor de R$ 15 mil até R$ 300 mil, com taxas de juros de até 0,56% ao mês, com carência de até 12 meses para fazer o primeiro pagamento.

Assinam os convênios os presidentes da GarantiOeste, Augusto José Sperotto; GarantiSudoeste, Célio Bonetti, e da Noroeste Garantias, Ilson Rezende, e o presidente da Fomento Paraná, Juraci Barbosa.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (BOX)

A parceria entre a Agência de Fomento e as SGCs surgiu em 2011, a partir de pleitos do setor produtivo, entre eles a área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), representada pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-Paraná). O objetivo era criar uma linha de crédito para resolver a questão da dificuldade das empresas desse setor em oferecer garantias e se enquadrar nos critérios para obter crédito no mercado convencional, uma vez que o seu maior ativo é capital intelectual — que ainda não é aceito como garantia no Brasil.

“Houve um grande esforço junto às SGCs para que esta conquista se efetivasse”, afirma o presidente da Assespro-Paraná, Sérgio Yamada. Segundo ele, o Paraná terá uma situação única criada para o setor de TIC no Brasil, contando com uma força tarefa nestes moldes, com a participação da Assespro-Paraná, da Fomento Paraná, Sebrae/PR e da SGCs.

Com a oferta de crédito e o aval das sociedades garantidoras, será possível eliminar um grande gargalo na atividade das empresas de TI, que são os recursos para adquirir ferramentas, muitas vezes importadas, contratar profissionais especializados, além de prazos de carência mais adequados a esta atividade.

“Essa parceria vai consolidar uma infinidade de negócios e beneficiar muita gente, porque vai garantir às empresas de TI o fôlego necessário para desenvolver projetos, provendo soluções às demandas dos nossos clientes”, afirma. “Era o que faltava para incrementar o setor de TI, porque o potencial é enorme”, diz Yamada.

SGCs – As Sociedades de Garantia de Crédito surgiram na Europa, na década de 1940, mas chegaram à América Latina apenas no final da década de 1990. Atualmente existem nove dessas instituições no Brasil, atuando em cinco estados.

A SGC é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sem fins lucrativos, e que permite viabilizar o acesso das micro e pequenas empresas associadas nas localidades que integram a sua região de atuação. É um mecanismo inovador de aval financeiro para pequenos negócios, porque pode simplificar as exigências e reduzir os riscos no mercado de concessão de crédito nesse segmento.

Além do aval, essas entidades permitem que as micro e pequenas empresas tenham acesso orientações gerenciais e de suporte em administração e gestão financeira, o que aumenta a sua competitividade e a chance de sucesso.