O Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem) divulgou nesta terça-feira (26) os resultados da “Operação Páscoa 2013”, que fiscalizou chocolates e pescados para verificar o peso dos produtos, o aspecto formal da indicação quantitativa na embalagem e os brindes contidos nos ovos de chocolate comercializados no Estado. Realizada em todo o Estado, a operação verificou 681 itens. Outros 188 foram examinados nos laboratórios do IPEM. A operação lavrou 36 autos de infração devido ao fato de a quantidade não estar condizente com o indicado na embalagem do produto. Isso representou 4,14% do total de irregularidades.

O objetivo da operação, segundo o governo do estado, é garantir maior segurança ao cidadão, principalmente às crianças, na hora de adquirir o produto. Alguns produtos que foram reprovados pela fiscalização do Ipem na Operação Páscoa 2013 referem-se aos que são embalados pelos próprios supermercados ou pelo estabelecimento comercial.

Os seguintes produtos foram reprovados porque não foi feito o desconto do peso da embalagem na indicação do peso: peixe desfiado salgado tipo bacalhau, do Super Cidade Canção; filé de peixe bacalhau Cod salgado, do Super Muffato; bacalhau mohua salgado, bacalhau Porto especial centro filé, os dois da marca do Big; bacalhau do Muffato; e bacalhau do Primato.

Antecipado

Este ano o Ipem iniciou a fase de coleta das amostras para conferência em dezembro do ano passado, fazendo um trabalho junto aos fabricantes, pois naquele período os produtos ainda estavam em fase de produção. O objetivo foi antecipar a checagem do produto antes que fosse para a área de venda do comércio.

De acordo com o presidente do Ipem do Paraná, Rubico Camargo, os fiscais do Instituto realizam avaliações preliminares nos locais de revenda e exames finais nas indústrias. Nesta etapa foram verificados 681 itens. Também foram coletados 188 itens que seguiram para os laboratórios do Ipem para a realização dos exames periciais.

“Os exames realizados nos itens de chocolate são para verificação do peso declarado na embalagem e, também, conferir se os brindes contidos nos produtos seguem as especificações permitidas para a idade, segundo as regras do Inmetro, sendo obrigatória a presença da certificação”, explica Rubico.

A Operação Páscoa também verificou a conformidade com os padrões de qualidade dos brindes colocados dentro dos ovos. O peso desses brindes deve ser descontado da pesagem total do chocolate.

“O brinquedo é um produto certificado pelo Inmetro e só pode ser comercializado se tiver a marca de certificação, o que garante que o objeto passou por todos os ensaios de qualidade e não representa risco em potencial à criança”, disse o presidente do Ipem.

O descumprimento desses critérios pelas empresas pode acarretar em multa. Se forem detectadas irregularidades, será lavrado um auto de infração. O proprietário, após o recebimento, terá um prazo de dez dias para apresentar defesa junto ao órgão.