Por Elizangela Jubanski e Bruno Henrique

sao-jose-dentro16092013

Ao todo, cerca de 100 famílias receberam a ordem. Foto: BH/Banda B

Cerca de 15 famílias estão acampadas em frente ao Fórum de São José, na região metropolitana de Curitiba, desde o início da manhã desta segunda-feira (16). Eles estão protestando contra um aviso de desapropriação que receberam da justiça do município. Uma imobiliária que seria dona do terreno entrou com um pedido de reintegração de posse depois que os moradores acionaram advogados para efetuar pagamentos em juízo. Eles alegaram que depois que passaram a morar nos imóveis os valores de correção de juros estariam abusivos. Ao todo, cerca de 100 famílias receberam notificação da justiça para regularizar a situação ou deixar o local.

A intenção das famílias acampadas é que o juiz reveja o processo em que decreta a desapropriação de terrenos. De acordo com Claudinei Farias, que mora no Conjunto Residencial Habitat Aeroporto, os moradores querem que seja determinado um preço justo para estes terrenos. “A gente quer pagar, não estamos nos negando, mas queremos um valor exato e justo. A gente mora lá há 13 anos”, explica o morador.

Eles alegam que a construtora delimitou os espaços e comercializou os terrenos. Assim que as famílias compraram os lotes os valores de correção passaram a ficar mais altos daqueles estipulados anteriormente. Famílias confirmam terem pago valores, na época, a essa construtora, que aumentou os preços das parcelas.“O preço para regularizar é R$ 150 mil à vista, sem parcelar, sem nada”, disse Farias.

O morador do bairro Jardim Ipê, Nelson de Souza, disse à Banda B que a situação daquele comunidade é a mesma. “Já tentei fazer acordo com a imobiliária, mas depois eles dobraram o preço. Aí não deu mais. Pagava em juízo a parcela e agora veio essa determinação aí. Agente ajudou a fazer o bairro, era um lamaçal, fizemos tudo aqui”, disse.

Bairros

As famílias que receberam a ordem de despejo são dos bairros: Afonso Pena, Jardim Del Rei, Planta Luci, Jardim Eldorado, Fênix, entre outros.

Resposta

A Prefeitura de São José foi acionada pela Banda B e informou que esta situação envolve dois particulares e o município não tem responsabilidade no caso.