Redação com Associated Press

Dan e Tom são dois tigres irmãos que foram adotados pela família Borges, de Maringá, no Paraná. Cada um deles pesa mais de 350 kg, mas convive pacificamente com o criador Ary Borges, 43, sua mulher, suas três filhas e uma neta em uma casa na zona industrial da cidade.

Ary também tem dois leões, um macaco e um cachorrinho da raça chiuaua. A família está enfrentando uma batalha judicial pra conseguir ficar com os felinos. Embora Ary Borges tenha licença oficial para criar os animais, o Ibama é contra a reprodução dos bichos, alegando que pode representar perigo para a cidade.

Em 2005, Ary resgatou dois tigres maltratados de um circo itinerante e a partir daí começou a criação. Ele alega que tem direito de reproduzir os bichos e que dá a eles o melhor tratamento que poderiam ter no Brasil. “Infelizmente, há muito animais morrendo em zoológicos. Os meus são tratados extremamente bem, estamos preservando e conservando a espécie. Temos uma equipe ótima de veterinários. Damos a eles o melhor”, se defendeu, em entrevista à “Associated Press”.

O Ibama está tentando através da justiça ficar com os animais, cassar a licença de criador de Ary e fazer vasectomia nos tigres machos para impedir reprodução. A cidade de Maringá apoia o criador e inclusive aprovou uma lei que bane a vasectomia em animais selvagens dentro do limite da cidade.

Nayara Borges, 20, filha de Ary, diz que sentiria muita falta dos bichos, com quem dormia na mesma cama quando eram filhotes. “Eles seriam maltratados em outro lugar. E nossa família entraria em depressão”. Uraya, 23, a irmã mais velha, confia tanto nos tigres que deixa sua filhinha de dois anos sentar em cima dos bichos.