A procura pelo milho continua em alta no mercado brasileiro. Essa tendência pode ser sentida na movimentação atípica que tem se registrado no Porto de Paranaguá para a exportação do produto. De janeiro até agora, foram exportadas pouco mais de um milhão de toneladas do produto, contra 340 mil toneladas no mesmo período de 2012. O crescimento foi de 65% nas exportações do produto.

Nos meses de janeiro e fevereiro, passaram 44,3 mil caminhões pelo Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá. Destes 13,7 mil eram de milho. Para se ter uma ideia, no ano passado, neste mesmo período, foram recebidos também cerca de 44 mil caminhões. No entanto, apenas 4,5 mil eram de milho.

Os terminais, em Paranaguá, estão recebendo por dia em torno de 440 caminhões carregados com milho. A expectativa da Appa é que a procura intensa pelo milho entre em decréscimo nos próximos 15 dias. No entanto, ainda existem nove navios aguardando para atracar no Porto e carregar o produto.

Nos anos anteriores, neste mesmo período, a soja já dominava as operações no Porto. “Apesar de ser positivo o momento do milho, o número atípico de navios que ainda aguardam para carregar o produto e o espaço que o produto ainda ocupa nos terminais dificulta muito o recebimento e a expedição da soja”, afirma o superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino.

Os técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab) confirmam o movimento fora do padrão. “Este está sendo um ano bem atípico, uma novidade para o milho”, comenta a engenheira agrônoma do Deral, Juliana Tieme Yagushi. Ela se refere ao fato de que no ano passado, neste mesmo período, o escoamento da soja já estava a todo o vapor e do milho bem menos intenso.

Solução – De acordo com o superintendente, para evitar transtornos no campo, na armazenagem e no escoamento dos grãos, algumas medidas precisaram ser tomadas. “Não está sendo autorizada a atracação de navio com parcial de carga, até que terminem os navios de milho. Nas reuniões de atracação, são chamados os quatros primeiros navios de soja programados. Caso nenhum consiga fechar a carga, entra o próximo de milho. Essas ações são transitórias e visam agilizar o embarque de milho para receber a soja, que está vindo com tudo”, explica Dividino.

Até agora, o Porto de Paranaguá exportou quase 517 mil toneladas de soja e pouco mais de 556 mil toneladas do farelo. Em estoque, no Corredor de Exportação, existem 535,2 mil toneladas do complexo soja e, ao largo, 59 navios aguardam para carregar mais de três milhões de toneladas do produto. Ou sejam, quase 70% dos navios que aguardam para atracar e receber soja em Paranaguá ainda não tem disponibilidade do produto.

Além dos berços do corredor de exportação, o berço 206 também está sendo ocupado pelo milho. Nesta quarta-feira (6), um navio está atracado, carregando 35 mil toneladas do produto. Para esse e para o berço 201, outros dois navios aguardam para atracar e carregar 40 mil toneladas do grão.

Box – Entendendo o Milho

Encerrada a segunda safra de milho (milho safrinha) 2011/12, a próxima a entrar no mercado é a primeira safra do produto de 2012/13. Esta foi plantada no final do ano passado, no verão, e começou a ser colhida agora. A colheita, segundo o Deral, já está em 20%. Em relação ao mercado do produto, a engenheira Juliana explica que esta está 18% comercializada até agora. “Porém, esse primeiro milho é quase todo voltado a mercado interno, para repor os estoques”, comenta.

Ainda segundo ela, em média, no mês de fevereiro, a saca do produto está custando R$ 25,06, contra R$ 23,07 no ano passado. A produção de milho da primeira safra deve apresentar um volume de 6,84 milhões de toneladas, volume 4% acima da produção de 2012, que rendeu 6,6 milhões de toneladas.

Em relação à segunda safra 2013, a especialista diz que já está 70% plantada, ocupando uma área de cerca de 2,06 milhões de hectares. A produção poderá alcançar até 11,3 milhões de toneladas, se não for comprometida pelo clima.

Exportação – De acordo com o informativo da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), no acumulado de 2012 (ano civil), o total comercializado do milho brasileiro foi de 19,77 milhões de toneladas, ante os 9,46 milhões de toneladas exportados no mesmo período de 2011. Depois do Mato Grosso, o Paraná está na segunda posição dos maiores exportadores de milho, respondendo por 21% do total exportado pelo Brasil.