Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

Uma explosão em uma fábrica de amônia gera uma fumaça tóxica desde o início da madrugada desta quarta-feira (25) em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina. Alguns bairros próximos ao local do incêndio, como Paulas, Reta, Sandra Regina e Peroba, precisaram ser evacuados com urgência. Até o início da manhã o incêndio não estava controlado.

Um grande problema no caso é que o posto do Corpo de Bombeiros da cidade não tem um equipamento necessário para conter o fogo, sendo necessário a vinda de equipes de Itajaí.

A bombeiro Jéssica, de São Francisco do Sul, falou à Banda B sobre como está a situação no momento. “É um incêndio bastante grave que começou já faz algumas horas. Esta fumaça tóxica inspira cuidados e a população está deixando alguns bairros pelo risco de contaminação”, iniciou. Não há registro de intoxicação, mas alguns casos estão sendo encaminhados a hospitais de cidades vizinhas.

“Ainda é cedo para saber o que causou as explosões que geraram o incêndio. Não há feridos, mas a preocupação é grande devido à fumaça”, complementou.

Radialistas de São Francisco do Sul informaram à Banda B que muitos moradores estão em pânico, o que não é necessário, já que a fumaça atinge apenas uma pequena região da cidade e não há risco de que se alastre.

Assista a um vídeo do incêndio feito por um morador de São Francisco do Sul:

http://www.youtube.com/watch?v=qbhZZYnpiPw

Incêndio em Ponta Grossa

Ontem, no final da manhã, um incêndio de grandes proporções atingiu a indústria química Winner Chemical, em Ponta Grossa, no Paraná. O fogo começou por volta de 11h30 e durou cerca de uma hora e meia. Mesmo assim, equipe do Corpo de Bombeiros permaneceu no local até as 16h15 para o rescaldo. Dois funcionários ficaram feridos, estão internados no Hospital Bom Jesus e não correm risco de morte. A direção da fábrica ainda calcula os prejuízos.

O diretor financeiro da indústria, Weliton Barreiros, informou que o fogo atingiu o prédio antigo e destruiu totalmente uma área de 2,5 mil metros quadrados. “Como era horário de almoço, havia apenas dois funcionários no local. Eles sofreram queimaduras de primeiro e segundo graus”, disse. Os dois funcionários, identificados como Fernando Vieira e Hermenegildo da Silva Junior, foram socorridos por colegas. (As informações são do Diário dos Campos)