O ex-prefeito da Lapa Paulo Furiati e outras sete pessoas foram presas nesta sexta-feira (11) por suspeita de fraudes na em licitações da área de educação. A Operação “Quadro Negro”, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná tem o objetivo de cumprir onze mandados de prisão e onze de busca de apreensão em Curitiba, Sarandi, Lapa, Araucária e Palmeira e ainda em outros estados, como Santa Catarina, Minas Gerais e Brasília.

As investigações se referem a fraudes em procedimentos licitatórios para contratar empresas pertencentes ou ligadas às pessoas que são alvo dos mandados judiciais, sempre na área de educação, com suspeita de direcionamento do certame licitatório e de sobre preço e inexecução de serviços, o que geraria o desvio dos recursos públicos contratados.

Os mandados foram deferidos por dois Juízos distintos, da Lapa e de Sarandi, visando investigar os crimes de formação de quadrilha, fraude à licitação, peculato e corrupção. O Juízo da Lapa decretou oito prisões preventivas, dentre as quais a do ex-prefeito da Lapa, e quatro buscas, enquanto o Juízo de Sarandi decretou seis prisões temporárias e sete buscas. Três pessoas possuem dois mandados de prisão (preventiva e temporária).

As empresas investigadas são a Associação Nacional de Apoio aos Municípios (ANAM), Instituto Fox, Instituto Eco XXI e Instituto Brasileiro de Arte e Educação. As investigações foram conduzidas pelo Gaeco de Londrina e Promotorias da Lapa, Araucária, Palmeira e Sarandi.