Por Luiz Henrique de Oliveira

DEBATE

Banda B Rádio Debate falou sobre justiça com as próprias mãos e redes sociais (Foto: Geovane Barreiro – Banda B)

O Banda B Rádio Debate deste domingo, que foi ao ar às 12h, discutiu a barbárie que aconteceu em Guarujá (SP), que terminou na morte de uma dona de casa inocente, após ela ser confundida com uma sequestradora de crianças. Também foi debatido o mau uso das redes sociais, já que a vítima na cidade paulista foi confundida com um retrato falado que era compartilhado no facebook, de uma suposta criminosa que nunca existiu.

“Estou indo viajar para a Praia por 30 dias. Partiu academia. Meu pai foi promovido e agora ganha mais. Esses são só exemplos de pessoas que se expõem desnecessariamente, porque o bandido também tem rede social”, opinou durante o debate o advogado especialista em direito digital, Helio Augusto Camargo Abreu. Opinião neste caso curtida e compartilhada pela socióloga e professora no Centro de Estuados em Segurança Pública e Direitos Humanos da UFPR, Samara Feitosa. “As pessoas vão lá e curtem algo que se refere, por exemplo, a um ato de racismo, sem saber o que significa este termo ‘curtir'”, apontou.

Durante a discussão, o caso do Guarujá esteve em pauta. “Por um boato, que começou na rede social, as pessoas perderam a noção do ser individual e, em um pensamento de grupo, que ás vezes vem para o bem, mas neste caso foi para o mal, mataram uma pessoa inocente”, destacou Samara. A delegada Maritza Haizi, responsável pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), falou justamente sobre essa situação de se fazer justiça com as próprias mãos. “Quando acontece um crime, as pessoas querem que o suposto autor seja preso no mesmo instante, mas não é assim que acontece, porque é necessária uma investigação”, argumentou.

Para ouvir o programa na íntegra, clique nos ícones de áudio abaixo:

BLOCO1

BLOCO2

BLOCO3

O programa é apresentado pelo jornalista Adilson Arantes, tem a produção de Geovane Barreiro e reportagens de Luiz Henrique de Oliveira e Elizangela Jubanski. Quem quiser dar sugestões de temas pode enviar e-mail para [email protected]