O Governo do Paraná promoveu nesta terça-feira (26) uma reunião com prefeitos de municípios dos Campos Gerais e representantes da Klabin para avaliar os impactos econômicos e sociais na região com a implantação de uma fábrica da empresa, em Ortigueira. A nova unidade de papel celulose, no valor de R$ 6,8 bilhões, será o maior investimento privado da história do Estado. Com isso, a previsão é que o empreendimento promova um desenvolvimento acelerado do município que, atualmente, detém o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Paraná.

No encontro foram apresentados os programas de qualificação profissional oferecidos pelo governo federal, em parceria com o Governo Estadual, aos moradores da região que desejem trabalhar na nova fábrica. Serão criados até 8,6 mil postos de trabalho no pico de construção da unidade. Como o investimento conta com os benefícios do programa Paraná Competitivo, a Klabin se comprometeu a contratar o maior número possível de trabalhadores da região.

“A presença da Klabin terá um grande impacto e no crescimento da cidade. Por isso, precisamos fazer um trabalho integrado para garantir que esse desenvolvimento seja ordenado e equilibrado”, afirmou Rosane Gonçalves, coordenadora de Desenvolvimento Governamental da Secretaria de Planejamento do Paraná. Ela afirmou ainda que governo estadual prepara um plano de ações para garantir o desenvolvimento ordenado da região, principalmente de Ortigueira.

O planejamento definirá medidas para as áreas de segurança pública, saúde, educação, habitação e assistência social. “O Estado assume a responsabilidade de atuar para que não haja desequilíbrio. Queremos que Ortigueira seja uma cidade desenvolvida, com qualidade de vida para seus moradores”, afirmou Rosane. Na reunião, o Ipardes apresentou um diagnóstico socioeconômico do território de abrangência do novo investimento da Klabin.

A prefeita de Ortigueira, Lurdes Banach, disse que a reunião foi importante para integrar os prefeitos dos Campos Gerais. “A população da cidade está ansiosa com as oportunidades por conta da implantação da Klabin. Cerca de 60% da nossa população reside em área rural e precisa dos cursos para entrar no mercado de trabalho”, afirmou. A prefeita destacou que o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) gerado pelo empreendimento será compartilhado pelos 12 municípios da região. “Essa é uma forma de promover um crescimento homogêneo”, avaliou a prefeita.

GERAÇÃO DE EMPREGOS – As principais oportunidades de emprego serão nas áreas de construção civil, elétrica, mecânica e segurança do trabalho. Serão ofertadas vagas para as funções de pedreiro, carpinteiro, ajudante geral, armador de ferragens, montador de andaime, pintor predial, azulejista, encanador, caldeireiro, mecânico, soldador e eletricista. Quando a nova fábrica entrar em operação, serão criados em torno de 1,4 mil empregos diretos e indiretos nas áreas industrial e florestal.

Para aqueles que não possuem qualificação, estão em planejamento programas de treinamento e capacitação para formação de mão de obra. Esses programas de qualificação profissional serão desenvolvidos e aplicados em parceria entre Governo Federal – por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) – a Secretaria de Estado da Educação do e instituições como SENAI e Instituto Federal do Paraná (IFPR).

De acordo o gerente de Gente e Gestão da Klabin, Sales Bueno, os cursos serão oferecidos nos municípios de Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú e Tibagi. As aulas serão iniciadas no segundo trimestre de 2013 e os cursos terão duração de aproximadamente um mês (200 horas). “Queremos fomentar o desenvolvimento regional e os nossos esforços iniciais são para treinar e capacitar 1,6 mil pessoas, integrando a população local ao Projeto Puma”, destaca Sales.

Estiveram presentes na reunião os prefeitos de Cândido de Abreu, Congoinhas, Curiúva, Imbaú, Ortigueira, Reserva, Rio Branco do Ivaí, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Telêmaco Borba, Tibagi e Ventania. Além de representantes do Estado, da Federação das indústrias do Paraná (FIEP), Senai e Senac.