Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento 

casal ellen e rodrigo

Ela é suspeita de ter envolvimento na morte do marido. Foto: Arquivo familia

A esposa do soldado desaparecido Rodrigo Federizzi foi presa na noite desta quarta-feira (10) em casa, no bairro Tatuquara, em Curitiba. A informação foi dada em primeira mão pela Banda B. Ellen Federizzi é suspeita de ter participação na suposta morte do marido e simulado o desaparecimento dele. Rodrigo teria sumido na manhã do dia 28 de julho e a esposa registrado Boletim de Ocorrência (BO) no dia 30, alegando que ele tinha saído de casa para resolver assuntos pessoais.

A esposa foi presa dentro de casa, em um conjunto de apartamentos, por volta das 20 horas. Segundo uma fonte da Banda B, uma perícia minuciosa foi feita dentro da residência da família e, por meio da substância química luminol, foi encontrado sangue humano no quarto e no banheiro. A casa estava totalmente limpa e o produto reagiu ao composto quando analisado nos dois cômodos. Um serrote, também com marcas de sangue, foi encontrado dentro da casa.

O mandado de prisão de Ellen é temporária, válida por 30 dias, e decretada pela 1ª Vara Criminal de Curitiba. Ela nega que tenha participado do crime contra o marido, mas não sabe explicar a origem do sangue. A operação conjunta envolveu policiais militares do 13º BPM e civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Na manhã de hoje (11), policiais e investigadores fazem buscas para encontrar o suposto corpo, que estaria na Região Sul de Curitiba.

policial-civil-424x600Desaparecimento

A Banda B divulgou o desaparecimento do soldado na manhã do dia 1º de agosto. Segundo informações da família, Rodrigo saiu de casa às 10h30 e não voltou mais. Estava escalado para comparecer na Secretaria de Segurança Pública do Paraná, setor de monitoramento de tornozeleira eletrônica, e também não apareceu.

Um corpo carbonizado encontrado dois dias após o desaparecimento levantou suspeita dos investigadores da DHPP, que já investigavam o caso. No entanto, segundo a Polícia Militar (PM), o corpo do homem carbonizado, que estava na rua Dirceu Machado, no bairro Campo de Santana, tinha estatura maior do que o do policial. Exames posteriores descartaram que o corpo encontrado era do soldado.

Motivação

A fonte da Banda B afirmou que há diversas linhas de investigação, mas que nenhuma ainda apresenta consistência para divulgação.

Polícia Militar 

A Banda B entrou em contato com a PM sobre o caso, mas foi informada que a corporação não vai se pronunciar nas próximas horas.

Notícias relacionadas:

Policial militar está desaparecido há quatro dias; corpo encontrado no aterro da Caximba levanta suspeita

PM que sumiu há 4 dias investigava por conta própria assalto à esposa

Desaparecimento de PM que investigava assalto à esposa completa 10 dias sem pistas