Os professores de educação física que participam da modalidade de xadrez na fase regional de Curitiba dos Jogos Escolares do Paraná assistiram à palestra “O xadrez ensina você a pensar e é divertido”, do jornalista espanhol especializado em xadrez, Leontxo García. O evento, que contou com apoio do Governo do Paraná, aconteceu nessa segunda-feira (13), no auditório do Colégio Estadual do Paraná.

Garcia, que também é mestre pela Federação Internacional de Xadrez, destacou a importância do ensino dessa modalidade nas escolas. “Estudos científicos feitos por quase 100 anos demonstram que a prática frequente do xadrez desenvolve a inteligência de adultos e, especialmente, das crianças. Alunos que praticam xadrez têm, em média, rendimento de 17% maior em matemática e leitura”, comentou o especialista.

O xadrez ajuda no desenvolvimento de várias qualidades em seus praticantes, como o pensamento lógico, memória, concentração, memória espacial, disciplina, respeito pelas normas e a capacidade de entender várias situações ao mesmo tempo. “Quem joga xadrez sabe dos benefícios que ele traz, de como o seu cérebro funciona melhor”, afirmou Garcia.

Segundo o jornalista, é importante que o xadrez faça parte dos jogos escolares. No entanto, ele ressalta que é preciso que exista uma ponte de relação entre o xadrez como ferramenta pedagógica e o xadrez competitivo. “Na escola, deve-se ensinar a pensar. Paralelamente deve existir um plano de capitação de talentos. As crianças que jogam melhor devem receber um treinamento de competição”, disse.

COMPETIÇÃO – As disputas de xadrez nos Jogos Escolares do Paraná 2013 (JEPs) iniciaram nessa segunda-feira (13) no Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba. São 88 estudantes que competem em três categorias: Relâmpago (partidas de até 5 minutos), Rápido (com a duração de até 25 minutos), e Convencional (que vão até 1 hora). Eles disputam vagas para a etapa macrorregional dos jogos, que acontecerá de 5 a 9 de julho.

Para a aluna do Colégio Estadual do Paraná, Suelen Nowak, de 15 anos, que disputa sua terceira edição dos Jogos Escolares, a paixão pelo xadrez surgiu por acaso. “Eu comecei a jogar xadrez para ganhar do meu irmão. No fim, acabou virando meu esporte favorito. O xadrez ajuda no raciocínio lógico e tenho cada vez mais vontade de jogar”, contou a aluna que já foi campeã por equipe dos jogos em 2011.