O coração e o sistema cardiovascular podem ser beneficiados pelo consumo de chocolates, inclusive Ovos de Páscoa, em especial os amargos e meio amargos. Uma pesquisa recente realizada pela Universidade Hospital Colônia, na Alemanha, mostrou que o alimento pode ser um aliado da saúde já que o consumo contínuo ajuda a reduzir os níveis de pressão arterial. De acordo com o estudo, realizado com pré-hipertensos, a ingestão de 6,3 gramas de chocolate amargo durante 18 semanas fez com que os níveis de pressão arterial baixassem.

Entretanto, é preciso lembrar que o chocolate é um alimento calórico e deve ser consumido com moderação. Por isso, o mais indicado para o consumo é o chocolate amargo (70% de cacau) ou o meio amargo. Estudos mostram que o consumo de um quadradinho de uma barra por dia de chocolate meio amargo é benéfico para a saúde cardiovascular, sem provocar aumento nos níveis glicêmicos, de colesterol ou de peso corpóreo. “Entretanto, não devemos encarar o chocolate meio amargo como um medicamento ou substituto de medicação. Devemos lembrar sempre de quem possui restrições médicas ao consumo de doces, como os diabéticos. Estes pacientes devem procurar o auxílio de médicos e nutricionistas”, explica a cardiologista Lara Carreira, do Hospital Cardiológico Costantini, de Curitiba.

Nesta época do ano, a tradição faz com que o consumo de chocolates aumente naturalmente. Dentre as diversas opções, a cardiologista indica priorizar o consumo daquelas com maior teor de cacau. “Feitos a partir dos grãos de cacau torrados, sem adição de leite, os meio amargo e amargo são os mais ricos em flavonóides. Os chocolates ao leite (que têm baixo teor de flavonoides) e o chocolate branco (feito de manteiga de cacau), parecem não apresentar benefícios. Os chocolates diet também podem representar verdadeiros vilões, pois para compensar a falta de açúcar apresentam níveis elevados de gordura. Trocar o chocolate em barra por bombons também não é uma boa ideia, pois os recheios diversos podem conter menos chocolate, mais gordura e mais açúcar”, destaca Lara.

A indicação da cardiologista para essa Páscoa é uma só: moderação no consumo desse alimento. Assim, é possível aproveitar as delícias sem deixar de ser saudável. “Não devemos ir aos extremos da proibição e nem da liberação desenfreada. Para ter uma boa saúde cardiovascular, é preciso realizar uma dieta adequada, rica em frutas e vegetais, junto com hábitos saudáveis como praticar exercícios físicos regulares, não fumar, controlar os níveis de açúcar no sangue (glicemia), os níveis de colesterol e a pressão arterial. Assim, o chocolate não se torna o vilão nem na Páscoa nem durante todo o ano”, afirma a médica.

Benefícios do chocolate

O chocolate é rico em flavonóides, que são substâncias antioxidantes, contribuindo para a neutralização dos radicais livres. Além disso, os flavonóides presentes no chocolate podem melhorar a função endotelial (responsável pela tonicidade dos vasos sanguíneos), reduzir o LDL-colesterol (colesterol ruim), diminuir a agregabilidade plaquetária e proporcionar maior sensibilidade à insulina. Alguns trabalhos mostram que o chocolate pode reduzir a pressão arterial devido ao aumento da produção de óxido nítrico, que leva a dilatação arterial. Existem também evidências que o consumo moderado de chocolates reduziu a taxa de AVC (derrame cerebral). O consumo, entretanto, não deve ser indiscriminado. “O chocolate não é feito somente de elementos benéficos. Eles são ricos em gordura. Alguns tipos recebem em seu processamento leite, açúcar e gordura hidrogenada, que aumentam em muito o valor calórico deste alimento”, comenta Lara.