Equipes do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) estão trabalhando nesta semana, emergencialmente, em 575 quilômetros de rodovias estaduais não pavimentadas para recuperar as vias, danificadas pelas chuvas constantes de março. As equipes estão agindo em pontos de atoleiros e em locais onde há dificuldade de trânsito de veículos leves.

“Apesar de as chuvas não permitirem um serviço completo, o trabalho busca dar a mínima condição de trafegabilidade para estas rodovias, em especial das regiões Noroeste, Oeste e parte do Sudoeste, onde o regime de chuvas superou as médias”, disse o diretor geral do DER, Nelson Leal Junior.

Segundo o Simepar, na região de Umuarama o volume de chuvas deste mês foi 115% superior que a do mesmo período do ano passado, atingindo 287 milímetros. Em Palmas também choveu 81% acima da média desde o início de março, fechando até esta terça-feira (26) em 214 milímetros. Na região de Cascavel, o aumento foi de 20%.

Leal Junior explica que desde o início do ano houve apenas 21 dias de sol contínuo, permitindo que as equipes de manutenção e de conservação das estradas pudessem entrar para fazer obras. “É preciso pelo menos três dias seguidos de sol para que os trabalhos em estradas de chão batido, e também nas pavimentadas, possam ser executados sem que se perca o material usado”, disse.

A PR 405, no trecho que liga os municípios de Cacatu e Guaraqueçaba, no Leste do Estado, foi uma das rodovias que recebeu obras na pista não pavimentada, melhorando a segurança e o fluxo da região. Os trabalhos, nesta estrada, foram feitos em 76 quilômetros.

Perto de Pitanga, as equipes estão recuperando 60 quilômetros da PR 239, que dá acesso a Roncador e Mato Rico. Também na região Central, há obras na PR 533, entre Mamborê e Luiziana, onde as ações foram apenas emergenciais e a equipe deve concluir o trabalho tão logo aconteça um período de estiagem.

Por enquanto, o trabalho tem sido de melhorar a trafegabilidade, com a execução de serviços de alinhamento de pista não pavimentada – nivelamento e colocação de britas, revestimento primário e com cascalho. Também estão em andamento recuperação de encostas e a roçada. Estas obras continuarão em ritmo normal se não houver chuvas fortes nas regiões.