Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

28.06.13 SUSPEITOS TAYNA

Suspeitos foram apresentados nesta sexta-feira (Foto: Divulgação – Polícia Civil)

O crime brutal que estarreceu os moradores de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, está elucidado. Quando a Banda B informou em primeira mão, na manhã de ontem, o desaparecimento da menina Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, a expectativa era de encontrá-la viva. Durante a noite a notícia da prisão dos suspeitos e do abuso sexual seguido de morte jogou por terra as esperanças da comunidade e de parentes.

suspeito preso 3

População tentou linchar os suspeitos (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

Em entrevista coletiva durante a manhã desta sexta-feira (28) os policiais civis da Delegacia do Alto Maracanã deram detalhes sobre como a polícia chegou aos suspeitos e de que forma eles agiram. Foram presos: Adriano Batista, 23 anos, Sérgio Amorin da Silva Filho, 22 anos, Paulo Henrique Camargo Cunha, 25 anos, e Ezequiel Batista, 22 anos. Adriano é o único que nega o crime.

O início

Na última sexta-feira (21), Sérgio Amorin, um dos presos, viu a menina Tayná pela primeira vez, passando em frente ao parque de diversões que trabalhava. Desde então, ele entrou em contato com os outros suspeitos e passou a premeditar o crime. Na terça-feira, ao ver a menina passando pelo local, Amorin a abordou e levou para um matagal, onde com os outros praticou o estupro.

MAE DENTRO

Mãe ficou desesperada ao saber do que foi feito com Tayná (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

A informação dos investigadores, com base no depoimento dos suspeitos, é de que na terça Tayná foi abusada e possivelmente permaneceu amarrada, ainda viva. No dia seguinte, na quarta, os suspeitos foram pela manhã ao local e cometeram o abuso novamente, a matando por estrangulamento e em seguida enterrando o corpo.

A prisão

O investigador Theles Kuroski, da Delegacia do Alto Maracanã, deu detalhes à Banda B sobre como foi feita a prisão do suspeito. “Tínhamos as imagens das câmeras de segurança que mostravam o sumiço da menina no trecho em frente ao parque, o que era um indício. Ontem na hora do almoço recebemos uma informação anônima do que havia acontecido e fizemos a abordagem neste parque, onde detivemos os suspeitos”, contou.

O investigador eximiu de qualquer culpa o proprietário do parque, que teve o local incendiado por manifestantes. “Ele não está envolvido. Ontem depois de um primeiro depoimento dos suspeitos voltamos ao matagal em que o abuso aconteceu e ficamos até 20h30 buscando pelo corpo, mas sem sucesso”,descreveu.

Materialidade 

TAYNA FORA

Tayná teria sido abusada por duas vezes (Foto: Reprodução facebook)

A prova principal para manter os suspeitos presos e tornar o caso completamente elucidado é o corpo de Tayná, que foi encontrado na tarde desta sexta sexta-feira (28). Ele estava vestido e a menina demonstrava sinais de morte por estrangulamento. A informação foi dada à Banda B pela perita Jussara Joekel, do Instituto de Criminalística, que atendeu o local de morte.

“Ela estava submersa dentro de um poço com a tampa fechada. Não seria fácil encontrar este corpo. Ao que parece a morte foi por estrangulamento e o abuso só será comprovado depois de serem feitos exames no Instituto Médico Legal. O que podemos precisar é que a menina estava vestida quando foi enterrada”, contou a perita.

Notícias relacionadas

Polícia diz que funcionário de parque assumiu que estuprou e matou Tayná, mas não indica corpo

Adolescente manda SMS para mãe dizendo que está chegando e desaparece; ouça o apelo

Vizinhos de Tayná ameaçam linchar suspeito durante procura pelo corpo e cavam para ajudar